Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lendas e milagres do Convento da Penha - 2ª parte

O SINO E O FRADE - Certa vez, um frade aceitou o desafio de alguém para subir o monte à meia-noite, tanger o sino da torre da igreja. Assim o fez; mas, notaram os vilavelhenses que, ao tanger o sino lá em cima, ouviram o som no momento exato em que o frade já aparecia, em baixo, de regresso. Milagre... ou excesso de medo, fazendo-o correr à velocidade do som?...

PROMESSA - Em 1837, Gomes Neto testemunhou a Exma. senhora do então Governador da Província, José Tomás Nabuco de Araújo, delicada e franzina, subir, com os pés descalços, a íngreme ladeira da Penha, em piedosa promessa, levando, na mão direita, preciosa esmola.

IA COMER OS FEIJÕES DE NOSSA SENHORA - Oito anos depois, em 1845, o mesmo Gomes Neto presenciou a subida de outro devoto pela histórica ladeira, - mas este era um clérigo mineiro de estranha devoção, forte e muito bem calçado, com fortes sapatões, de mãos limpas, sem nenhuma esmola para a Santa ou para o Convento. Dizia ele que havia feito promessa de "ir comer os feijões de Nossa Senhora". Aboletou-se na casa dos romeiros, por muitos dias, e foi com dificuldade que conseguiram se ver livres de tão devoto comensal.

A ESMOLA E A CHARLATÃ - Estávamos no Santuário da Penha, agora, em pleno agosto de 1945, quando se acercou de nós um modesto homem do interior, perguntando qual era o altar de Nosso Senhor dos Passos. Indicamo-lho e ele nos disse que havia feito promessa de colocar certa importância aos seus pés. Ao mesmo tempo que nos falava, ia desenrolando vasto lenço e dele tirando Cr$ 15,00 para colocar aos pés da imagem.

Aconselhamo-lo a deixar a importância no cofre do Santuário. Dali, certamente, seria recolhida e aplicada de modo conveniente. Assim fez o devoto homem, mas, antes de o fazer, contou-nos que uma senhora, aboletada nas proximidades do Convento, lhe aconselhara que rezasse aos pés do Senhor dos Passos e, durante a prece, deixassse aos seus pés a esmola, mas ao terminar, retirasse o dinheiro e lho entregasse que ela lhe daria destino...

Livro: O Convento da Penha
De: Norbertino Bahiense (1951).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Inscrições – Por Maria da Gloria de Freitas Duarte

Em Vila Velha e nos seus arredores são encontradas várias inscrições, históricas ou não, como as que registramos

Ver Artigo
História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo