Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Muqui

Casarão em Muqui, foto abril de 2013

A charmosa cidade do sul do Espírito Santo é um atrativo para quem gosta de história, cultura e hospitalidade. 
Seus 13 mil habitantes devem se orgulhar da bucólica e bela cidadezinha onde moram. Orgulhar e preservar, já que Muqui possui o maior sítio histórico do estado: são 170 imóveis tombados do início do século XX, uma bela representação do poder da economia cafeeira. Independente disso, é gratificante ver que a população parece ciente da importância daqueles imóveis - muitas vezes não basta o tombamento, é fundamental que haja conscientização do valor daqueles espaços.

Coloridos, os casarões são ornamentados com detalhes preciosos - desde maçanetas de porcelana a tetos minuciosamente talhados - que parecem disputar quem apresenta maior ostentação.

A cidade nasceu no fim do século XIX, mas com o século XX chegou a estrada de ferro, o que foi sinônimo de crescimento. Típica cidade do café nos anos 20 e 30, enfrentou uma certa decadência econômica na década de 50, que resultou também numa transformação arquitetônica, com estilos mais modernos sendo implementados aos poucos.

Muqui possui muita história: A cidade foi construída pela economia cafeeira e cresceu pela “ordem dos trilhos do trem”, já que por ele era escoada a produção cafeeira do sul do estado. O colégio de Muqui, construído por Dirceu Cardoso, foi na década de 50 o principal colégio do Brasil. Mais tarde, por questões políticas, foi demolido e hoje é tombado como sítio histórico arquitetônico. O aeroporto; o clube do carro; o parque das lavadeiras - o primeiro do Brasil - entre outras que vale a pena descobrir.

Em ruas estreitas, já que Muqui possui 100 anos e ainda mantém a mesma urbanização, carros disputam espaços, enquanto o trem, majestoso, não se preocupa com isso, corta a cidade como no início do século passado. O trilho é dele, a rua também. Essa mesma rua, a principal do sítio histórico, também é cortada por outra peculiaridade de Muqui, são os grupos de Folias de Reis, o maior encontro do gênero do Brasil, que acontece sempre em abril.Outra atração da cidade é o seu Carnaval de Bois - o mais folclórico do estado - em que, ao som da bateria, bonecos de bois são guiados pelos espadeiros e pulam e rodam ao som da frenética batucada. Mágico, envolvente.

Onde fica?

Muqui fica bem perto de Cachoeiro do Itapemirim, ao sul do Espírito Santo. Vindo de Vitória, são cerca de três horas de viagem. Até hoje existe a malha ferroviária, mas ela é usada apenas para transporte de carga. Uma pena. A bela e simples estação tem pinta de ter testemunhado muitas chegadas e partidas emocionantes.

Por que ir?

A variedade de belos casarões é um dos principais motivos. O jardim da praça foi rearrumado em 2003 e a Igreja Matriz, de estilo eclético, também chama atenção. 

Quando ir?

Em qualquer época. Mas se quiser conferir a Folia de Reis, tradição que é forte na cidade, o melhor período é entre o dia de Natal é 6 de janeiro.

 

Fontes: azulerosa.wordpress.com e www.overmundo.com.br

 

Links Relacionados:

>> L e R - Leopoldina Railways
>>
 
Lembranças da maria-fumaça
>>
 
Cachoeiro de Itapemirim



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Então Vitória era assim (1908-1912) – Era Jerônimo

Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo Largo da Conceição, Ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
Roteiros de Guarapari

Três Praias: São consideradas as mais bonitas do balneário. A entrada é através de área particular e atualmente está fechada. As únicas formas de acesso a elas são através da Praia dos Adventistas ou de embarcações. 

Ver Artigo
Guarapari - Curiosidades

No início dos anos 30, a área central de Guarapari contava com cerca de 240 casas. Em 1942 foi construída a primeira casa veranista por Joaquim Gonçalves, apelidado de “Papai do Céu”

Ver Artigo
A Origem do nome Siribeira Clube de Guarapari

Árvore Siribeira, árvore - símbolo que o vendaval inclinou, como numa reverência, sem abater, contudo, através do tempo. Palavras de: Heliomar Carneiro da Cunha, no alvorecer do Siribeira Clube

Ver Artigo