Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Amor do Mar – Por Elizabeth Martins

Penedo, 2018

Brisa marinha

Segreda

Doces mistérios

Do amar

 

Sou água, sou mar. Beijo esta ilha ininterruptamente e vivemos num constante ato de amor.

Afago seus pés, envolvo seu corpo e devolvo a cada dia o dia que passou, para que ela não envelheça.

Deixo-a cheirosa com o meu cheiro e com a brisa que trago despenteio os seus cabelos, para que natural e irresistível permaneça.

Atraio sobre mim a fúria das tempestades e dos relâmpagos para não permitir que desmanchem seu calmo olhar e viver. Deixo que apenas a chuva fina a alcance, lave seu corpo e a torne mais bela com seus morros verdes da mata que resiste, com suas pedreiras brilhantes da água que escorre penetrando seus recônditos espaços.

É minha, esta ilha, eu a tomo e envolvo num abraço que há tempos foi mais apertado. Tentam me afastar, empurrando-me com aterros e construções, mas eu insisto, continuo próximo, volta e meia cresço buscando estreitar este abraço. Sei que ela me deseja tanto quanto imutável é o meu desejo dela.

Vivo para esta ilha e lhe trago vida que a alimenta, beleza que a enfeita, escondo seus sóis que se põem e liberto suas luas cheias.

Estranho amor que me faz tomar a amada cada dia mais bela para que outros caiam na armadilha do seu fascínio, aprisionado por seu doce visgo. E, da mesma forma que eu, tragam carinhos e enfeites para mantê-la, sonho e realidade, Vitória, sempre linda.

 

Escritos de Vitória – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1997
Prefeito Municipal: Paulo Hartung
Vice-Prefeita Municipal: Luzia Alves Toledo
Secretária Municipal de Cultura: Cláudia Cabral
Sub-secretária Municipal de Cultura: Verônica Gomes
Diretor do Departamento de Cultura: Joca Simonetti
Adm da Biblioteca de Adelpho Poli Monjardim: Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias: Elizete Terezinha Caser Rocha, Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial: Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão: Gilson Soares
Capa: Ângela Cristina Xavier
Editoração: FCAA
Impressão: Gráfica ITA

 

Fonte: Escritos de Vitória, nº 18 – Cidade Presépio, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV, 1997
Texto: Elizabeth Martins
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2018

 

Elizabeth Martins,
Nascida em Vitória (ES)
Formada em História pela UFES
Professora e Escritora
Autora de A Bailarina Cor de Rosa
Publica crônicas em A Gazeta

Literatura e Crônicas

Cidade sol. E mar, porto, ilha, presépio... - Por Getúlio Neves

Cidade sol. E mar, porto, ilha, presépio... - Por Getúlio Neves

Olhar lá para adiante, para os lados da velha Igreja Matriz, demolida e hoje remodelada na Catedral de Nossa Senhora da Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Eternidade - Jardim ou O Poema Moscoso - Por Gilbert Chaudanne

Onde os homens fluindo nos seus anos idos jogam o baralho do destino, baralho da vida-morte de que roleta russa

Ver Artigo
UFES - Por Matusalém Dias de Moura

UFES - nossa maior instituição produtora de cultura

Ver Artigo
Os filhos do Britz - Por Luiz Carlos Almeida Lima

Na linha da Praça do Santa Martha (nome do antigo supermercado) surgiram o Barcorella, o Zepocler, a Mama e o Adega

Ver Artigo
Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Ver Artigo
Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso

Ver Artigo