Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os Açorianos fundam Viana

Capa do CD Açorianidade Capixaba, 2012, SECULT

Trinta casais de açorianos chegaram ao Espírito Santo no governo de Alberto Rubim. Iniciava-se a imigração européia para o Estado. Eram novos braços para ajudar nos trabalhos da lavoura.

Esses imigrantes foram instalados a cerca de dezoito quilômetros de Vitória, e a nova povoação deu origem ao município de Viana.

Logo os colonos deram início à construção de uma igreja. Em 24 de junho de 1816 foi celebrada a primeira missa, que contou com a presença do próprio governador Alberto Rubim.

Em 22 de março de 1817 a igreja foi inaugurada com grande festa e foram batizados muitos índios que haviam sido catequizados pelo comandante militar da Colônia, alferes Antônio Leite Barbosa.

O território em que os açorianos passaram a viver estava situado no município de Vitória e compreendia uma parte já povoada, onde existiam muitas fazendas: Jucu, Belém, Araçatiba, Calabouço, Tanque e Borba.

Visitaram a região, logo no início da colonização, os naturalistas estrangeiros Maximiliano de Wied e, mais tarde, Saint Hilaire. Ambos escreveram sobre os aspectos pitorescos da região.

Outro visitante ilustre foi o Imperador D. Pedro II, que esteve por todo um dia em Viana, das 7h30 às 15h30. Esse fato aconteceu em 31 de janeiro de 1860. O imperador almoçou na casa de D. Luiza Amélia da Conceição, açoriana. Após o lauto almoço, servido em louça da índia e pratarias, o imperador ofereceu ao vigário, Padre João Pinto Pestana, a quantia de 800$000 (oitocentos mil réis), dos quais 300$000 para as obras da matriz e 500$000 para os pobres da freguesia.

Depois da instalação dos açorianos, em 1813, o problema da colonização com elementos estrangeiros sofreu um longo hiato. É verdade que ex-mercenários, desligados do Exército Nacional, aqui estiveram, mas raras vezes.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 23/09/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Curiosidades

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Café é forte na economia capixaba - Por Gabriel Bittencourt

Introduzido no início do século passado, o café passou a ser a redenção econômica do Espírito Santo

Ver Artigo
República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
D. Pedro II: além das festas, visita aos colonos imigrantes

A cidade toda engalanou-se para tão festivo acontecimento. Os Fortes de São João e de São Francisco Xavier dispararam suas baterias em continência militar 

Ver Artigo
Governador Silva Pontes tenta superar o atraso

Nomeado em 1798, Antônio Pires da Silva Pontes só a 29 de março de 1800 tomou posse como governador da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Visitantes ilustres documentam a vida no ES

O cientista Saint Hilaire documentou a flora e a fauna. A equipe do príncipe Maximiliano gravou imagens preciosas de um mundo que acabou

Ver Artigo
Em 67 anos, Província do ES tem 96 Presidentes

A quantidade de governantes da Província do Espírito Santo, durante todo o período monárquico, é um indicador das dificuldades de administrar uma região que viveu à margem do progresso

Ver Artigo
Domingos José Martins, a morte pela liberdade

Domingos Martins, próspero economicamente, queria, acima de tudo, a independência política de sua gente e participava ativamente das reuniões em que se discutia e planejava a Revolução da Independência, bem como a Proclamação da República

Ver Artigo
Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes, não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga

Ver Artigo
A independência do Espírito Santo se chama café

Todas as câmaras das Vilas do Espírito Santo aderiram imediatamente ao Imperador D. Pedro I

Ver Artigo
Francisco Alberto Rubim faz a estrada para Minas

A estrada de Rubim fracassou. Não atraiu a preferência do comércio. Por ali chegou a passar boiada vinda de Minas. Mas os ferozes índios da região eram uma ameaça constante, atacando seus usuários 

Ver Artigo