Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Ilustração do Livro: Por Serras e Vales do Espírito Santo, autor Ormando Moraes

A efervescência econômica, com o crescimento da produção do café, criou a necessidade de transportar não só o produto, mas também os bens de consumo que o dinheiro dos colonos podia comprar. Os tropeiros são agora personagens no imaginário do povo

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes. Era preciso também levar ao interior açúcar, sal, querosene, bebidas, ferramentas, móveis e outros produtos. Não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga.

Foi assim que uma atividade já desenvolvida foi crescendo: as tropas e os tropeiros.

O chefe da tropa era o arrieiro. Ele podia ser o dono da tropa ou empregado do dono. Havia, em algumas tropas, um responsável pelo preparo das refeições. Ele se adiantava ao andamento da tropa para chegar mais cedo aos pontos das pousadas e preparava, assim, os quitutes. Toda tropa tinha suas panelas, chaleiras, coador, bules, pratos, talheres; e também comestíveis como toucinho, arroz, carne-seca, sal e outros gêneros de primeira necessidade.

O café era adoçado com rapadura.

E os galos, com seus cânticos matinais, eram os relógios dos tropeiros.

Poetas capixabas escreveram sobre esses homens. Destaca-se o poema "Madrinha da Tropa", do escritor Elmo Elton:

Lá vem, num galope,

Madrinha da tropa.

Vem toda enfeitada

De fitas vermelhas,

Douradas e roxas.

Vem toda bonita,

Com arreios de prata,

Madrinha da tropa!

"Perfume da Serra"

vem vindo, ligeira,

fazendo barulho,

sineta batendo

aldeia acordando

do sono da tarde.

 

Madrinha da tropa

entrou no arraial.

Que tanta algazarra

na voz dos meninos!

As donas de casa

Se põem às janelas

E atiram-lhe flores.

"Perfume da Serra",

num trote garboso,

nem olha os meninos,

nem vê a homenagem

das donas de casa.

Madrinha da tropa,

assim colorida,

com fitas vermelhas,

douradas e roxas,

com arreios de prata,

sineta batendo,

é a nota mais linda,

a nota encantada

das tardes da aldeia.

 

Madrinha da tropa,

"Perfume da Serra"!

Rainha das tardes,

rainha matuta

das longas estradas

do nosso Brasil!

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 23/09/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

História do ES

Guarapari em 1862

Guarapari em 1862

Ilhotas à entrada do porto do seu nome, entre elas podem passar navios pequenos. Porto formado pelo mar. Nas marés grandes tem na preamar 26 palmos de fundo, e na baixa-mar 19. O fundo marcado é o de um banco de areia para dentro dos pontais

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
O Café é forte na economia capixaba - Por Gabriel Bittencourt

Introduzido no início do século passado, o café passou a ser a redenção econômica do Espírito Santo

Ver Artigo
D. Pedro II: além das festas, visita aos colonos imigrantes

A cidade toda engalanou-se para tão festivo acontecimento. Os Fortes de São João e de São Francisco Xavier dispararam suas baterias em continência militar 

Ver Artigo
Governador Silva Pontes tenta superar o atraso

Nomeado em 1798, Antônio Pires da Silva Pontes só a 29 de março de 1800 tomou posse como governador da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Visitantes ilustres documentam a vida no ES

O cientista Saint Hilaire documentou a flora e a fauna. A equipe do príncipe Maximiliano gravou imagens preciosas de um mundo que acabou

Ver Artigo
Em 67 anos, Província do ES tem 96 Presidentes

A quantidade de governantes da Província do Espírito Santo, durante todo o período monárquico, é um indicador das dificuldades de administrar uma região que viveu à margem do progresso

Ver Artigo
Os Açorianos fundam Viana

Trinta casais de açorianos chegaram ao Espírito Santo no governo de Alberto Rubim. Iniciava-se a imigração européia para o Estado. Eram novos braços para ajudar nos trabalhos da lavoura

Ver Artigo
Domingos José Martins, a morte pela liberdade

Domingos Martins, próspero economicamente, queria, acima de tudo, a independência política de sua gente e participava ativamente das reuniões em que se discutia e planejava a Revolução da Independência, bem como a Proclamação da República

Ver Artigo
A independência do Espírito Santo se chama café

Todas as câmaras das Vilas do Espírito Santo aderiram imediatamente ao Imperador D. Pedro I

Ver Artigo
Francisco Alberto Rubim faz a estrada para Minas

A estrada de Rubim fracassou. Não atraiu a preferência do comércio. Por ali chegou a passar boiada vinda de Minas. Mas os ferozes índios da região eram uma ameaça constante, atacando seus usuários 

Ver Artigo