Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os cometas - Por Ormando Moraes

Três viajantes em Cachoeiro de Itapemirim, em 1917 - Bem vestidos e bem montados

Os "cometas", assim denominados os viajantes comerciais, porque apareciam nas cidades do interior de tempos em tempos, tiveram grande importância na época das tropas e dos tropeiros, com os quais se relacionavam e faziam muitos negócios.

Naquele tempo, o comerciante do interior dificilmente se aventurava à ir ao Rio ou a São Paulo para fazer compras, porque era muito inibido e tinha receio de ser ludibriado, de sorte que o papel dos "cometas" era de fundamental importância para manter as casas comerciais abastecidas de um tudo e, conseqüentemente, para proporcionar serviços de transporte de cargas a tropas e tropeiros.

Nas cidadezinhas do interior, quase sempre havia um "Hotel dos Viajantes", onde os "cometas" eram tratados a "pão-de-ló" e gozavam de muito prestígio, porque traziam toda sorte de notícias, orientavam os comerciantes nos negócios, eram entendidos de política, economia e futebol e faziam o papel de bancos, cobrando duplicatas e cumprindo ordens de pagamento. Alguns "cometas" mais antigos e de maior prestígio eram acolhidos, como hóspedes, nas casas dos grandes comerciantes.

Os, "cometas" viajavam montados em muares (burros, mulas ou bestas) com arreios de primeira e eram acompanhados de mais dois, três animais, que conduziam suas canastras repletas de amostras de tudo quanto era mercadoria. Às vezes, eles mantinham tropas completas para transportar não só amostras, mas também a própria mercadoria, como era o caso do Coronel Ricardo Gonçalves, de Cachoeiro de Itapemirim.

A chegada dos "cometas" às cidades do interior, na década de 20, era motivo de satisfação e alegria: eles traziam jornais e revistas para oferecer aos comerciantes e aos amigos e, à noite, na calçada ou na porta do hotel, formavam-se rodas de curiosos, para conversas que se estendiam até madrugadinha.

Sempre muito bem vestidos, falantes e comunicativos, quando os "cometas" chegavam a uma cidade, as moças ficavam alvoroçadas e os rapazes, despeitados, se enchiam de ciúmes e precauções. Havia lugares, segundo informa Dona Argentina Tristão, em que as moças eram proibidas de dançar com os "cometas" e, se desobedeciam, tomavam "chá de cadeira" nos bailes seguintes, em que eles não estivessem presentes. Os viajantes eram como os marinheiros, em matéria de amor: em cada lugar, uma namoradinha ou uma amante, ou as duas ao mesmo tempo. Mas também houve muitos casos de finais felizes, em que os "cometas" desposaram moças de importantes famílias das cidades que visitavam.

Conta Francisco Schwarz que os. "cometas" iam para Santa Leopoldina de lancha ou de canoa, pelo rio Santa Maria, partindo de Vitória, onde poucos paravam e que, nas canoas, havia duas classes de passageiros: a primeira era nos bancos e sob toldos, que os "cometas" usavam, e a segunda classe era no meio dos caixotes, sob o sol e a chuva. Para vender ao comércio de Santa Leopoldina, vinham até viajantes diretamente da Alemanha.

Em Cachoeiro de Itapemirim, centro comercial de importante irradiação para todo o sul do Estado, fixaram-se vários viajantes comerciais, os célebres "cometas" dos velhos tempos, muitos dos quais evoluíram para representantes comerciais, como o Coronel Francisco Gonçalves, Antônio Peixoto Serra, Manoel Leão, Mário Daher, João Moysés, e o mais famoso de todos, Joaquim Cecílio Teixeira Leão, o Quincas Leão, de intensa participação na comunidade local e indispensável componente de comissões de finanças que se organizassem para qualquer fim. Outros nomes de viajantes citados por José Maria de Oliveira, Argentina Tristão e Francisco Schwarz foram os de José Medina, Jorge Ananias, Manoel Soares, Ribeiro Martins e José Rios, sendo que este último deixou a profissão para ser hoteleiro em Santa Leopoldina.

Além dos "cometas", no tempo das tropas, havia ainda os mascates, geralmente sírios ou libaneses, tratados como, "turcos" e que também usavam muares em suas andanças, mascateando. Mas eram diferentes dos "cometas", pois não representavam firmas, nem vendiam aos comerciantes. Os mascates vendiam principalmente fazendas e miudezas no varejo, a prazo ou à vista, ao consumidor final, como se diz hoje em dia.

 

Fonte: Por Serras e Vales do Espírito Santo – A epopéia das Tropas e dos Tropeiros, 1989
Autor: Ormando Moraes
Acervo: Edward Athayde D’ Alcantara
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2016

Curiosidades

Sabor provinciano do Capixaba - Artes Plásticas

Sabor provinciano do Capixaba - Artes Plásticas

Esse quadro pobre, que se refere tanto aos produtores quanto aos consumidores de arte, tem origem em limitações do passado

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Atividades dos Tropeiros – Por Ormando Moraes

O seleiro era um artesão de muita habilidade na fabricação de selas e de todo o arreamento necessário ao animal de carga

Ver Artigo
Roubo de animais no tempo dos Tropeiros – Por Ormando Moraes

Essa prática criminosa tinha mais a característica de furto, visto que os animais eram levados sorrateiramente, às escondidas

Ver Artigo
Medicina tropeira – Por Ormando Moraes

A medicina tropeira voltada para os animais e não para os tropeiros

Ver Artigo
O comércio de muares – Ormando Maraes

Os comerciantes de muares eram chamados muladeiros e eles vendiam tanto animais chucros para serem adestrados pelos compradores, quanto muares já preparados e arreados

Ver Artigo
Impostos e taxas – Por Ormando Moraes

No período áureo das tropas no Espírito Santo, foi mínima a intervenção e a participação do Estado na atividade tropeira

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Um desses amores nasceu lá pelos lados da região de Arataca. Um jovem tropeiro despertou o coração da filha de um abastado fazendeiro

Ver Artigo
As Tropas – Por Ormando Moraes

Não havia outra alternativa senão o uso de burros e bestas, agora de forma organizada e metódica, com características de empresa

Ver Artigo
Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Por influência do mineiro, que colonizou grande parte do interior do Espírito Santo, a palavra mais usada por nossos tropeiros em todas as ocasiões, era a interjeição uai

Ver Artigo
Os Tropeiros - Por Ormando Moraes

A chegada dos tropeiros aos pontos de parada, era uma festa para os moradores das imediações

Ver Artigo
O Burro em Vitória – Por Ormando Moraes

Entretanto, burros, mulas e bestas foram presença importante em nossa ilha para serviços nas antigas fazendas de Jucutuquara, Maruípe e Santo Antônio 

Ver Artigo
Muares no Espírito Santo – Por Ormando Moraes

Então, o que se viu, atravessando serras e vales, foi a epopéia das tropas e dos tropeiros transportando a produção do Espírito Santo, especialmente o café

Ver Artigo
Primeiras notícias do uso do burro no Brasil – Por Ormando Moraes

O muar seria o ideal para essa tarefa e desde 1764 a Coroa havia autorizado sua criação dentro do "continente do Estado do Brasil", mas o Conde da Cunha, não a transmitiu aos governadores de São Paulo e das Minas Gerais

Ver Artigo
Por que o nome Burro? - Por Ormando Moraes

Seja burro, mula ou besta, os muares sempre foram e ainda são de extrema utilidade ao homem, para o transporte da carga em larga escala, agrupados nas tropas, para puxar carroças nas áreas urbanas mais modestas

Ver Artigo