Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Grupo que faz a Rota Imperial, vindo de Minas Gerais, vai chegar ao Estado no dia 20

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado. O grupo partiu de Ouro Preto, em Minas Gerais, no dia 31 de março e a expectativa é de que a chegada ao Palácio Anchieta, em Vitória, considerado o marco zero do percurso imperial, ocorra na quarta-feira, dia 20.

Mas, afinal, o que pode levar este grupo a querer reviver os passos de um trajeto de séculos passados? Natural de Venda Nova do Imigrante, o funcionário público José Nildo Fabre de Melo, de 37 anos, tem a resposta na ponta da língua.

"Como participante deste grupo posso garantir: percorrer o trajeto da Estrada Real é a nossa chance de reviver um passado valorizando a história capixaba", descreve.

Apesar da empolgação de José, o caminho rumo ao Palácio Anchieta não é dos mais fáceis. "Em alguns dos pontos por onde o grupo vai passar a questão do relevo, por exemplo, é um empecilho. O trajeto entre Muniz Freire e Conceição do Castelo é um exemplo, por conta do terreno mais acidentado. Mas não é nada que possa tirar a beleza e o valor cultural de realizar o trajeto", defende Marcio Perini Zouain, um dos responsáveis técnicos do projeto.

Segundo José Nildo, o grupo conta com um caminhão, que leva a estrutura de uma cozinha (com fogão, churrasqueira e freezer), e um ônibus adaptado com 16 camas. Ao comprovar que a viagem também serve como uma oportunidade para troca de experiências, o funcionário público registra que, no último final de semana, um novo participante juntou-se ao grupo.

"Ao passarmos pela região inicial de Ibatiba, no Sul do Estado, um rapaz viu o nosso grupo passar e decidiu viajar conosco até Vitória. Esse é um dos grandes baratos do percurso", destacou.

Após a pausa para descanso, o grupo segue hoje em direção a Conceição do Castelo, no Sul do Espírito Santo.

O tropeiro José Nildo Fabre concluiu destacando que o incentivo que o grupo recebe no percurso é incentivador. "Quando passamos pelas cidades as pessoas são bem receptivas. Isso nos deixa muito orgulhosos e mostra que as pessoas têm curiosidade pelos fatos históricos".

A VIAGEM

450 QUILÔMETROS

Percurso

É o trajeto que já foi percorrido pelo grupo, até a noite de ontem. A expectativa é que a chegada, em Vitória, ocorra na quarta-feira, dia 20/04/2016.

16 ACOMODAÇÕES

Limite máximo

Dentro do ônibus, o grupo tem 16 camas à disposição. Após saírem em treze de Minas Gerais, um novo integrante foi acolhido, em Ibatida.

DESCANSO

Os participantes são recepcionados em escolas e igrejas para que possam descansar e tomar banho.

DEPOIMENTO

"A experiência está sendo única" – José Nildo Fabre, Participante da Rota Imperial

Depois de oito dias percorrendo o Estado de Minas Gerais, após sairmos de Ouro Preto, finalmente, chegamos ao Espírito Santo. É claro que ao longo deste percurso, e até o próximo dia 20/04/2016, muitos desafios vão aparecer durante a nossa caminhada, mas não tenho dúvidas de que isso tudo vale a pena. Ao refazermos o percurso da Rota Imperial temos a oportunidade de reviver a história do nosso país, e do nosso Estado. Podemos ver paisagens que não conhecíamos, conhecer novas cidades e pessoas. Somos tão bem recebidos que chegam a nos oferecer descanso em escolas e igrejas. Já percorremos cerca de 450 quilômetros e posso dizer que a experiência está sendo única. Literalmente, estamos revivendo a história.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, Cidades 12/04/2016
Autor: Adalberto Cordeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2016



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Medicina tropeira – Por Ormando Moraes

A medicina tropeira voltada para os animais e não para os tropeiros

Ver Artigo
O comércio de muares – Ormando Maraes

Os comerciantes de muares eram chamados muladeiros e eles vendiam tanto animais chucros para serem adestrados pelos compradores, quanto muares já preparados e arreados

Ver Artigo
Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Um desses amores nasceu lá pelos lados da região de Arataca. Um jovem tropeiro despertou o coração da filha de um abastado fazendeiro

Ver Artigo
As Tropas – Por Ormando Moraes

Não havia outra alternativa senão o uso de burros e bestas, agora de forma organizada e metódica, com características de empresa

Ver Artigo
Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Por influência do mineiro, que colonizou grande parte do interior do Espírito Santo, a palavra mais usada por nossos tropeiros em todas as ocasiões, era a interjeição uai

Ver Artigo
Os Tropeiros - Por Ormando Moraes

A chegada dos tropeiros aos pontos de parada, era uma festa para os moradores das imediações

Ver Artigo
O Burro em Vitória – Por Ormando Moraes

Entretanto, burros, mulas e bestas foram presença importante em nossa ilha para serviços nas antigas fazendas de Jucutuquara, Maruípe e Santo Antônio 

Ver Artigo
Muares no Espírito Santo – Por Ormando Moraes

Então, o que se viu, atravessando serras e vales, foi a epopéia das tropas e dos tropeiros transportando a produção do Espírito Santo, especialmente o café

Ver Artigo
Primeiras notícias do uso do burro no Brasil – Por Ormando Moraes

O muar seria o ideal para essa tarefa e desde 1764 a Coroa havia autorizado sua criação dentro do "continente do Estado do Brasil", mas o Conde da Cunha, não a transmitiu aos governadores de São Paulo e das Minas Gerais

Ver Artigo
Por que o nome Burro? - Por Ormando Moraes

Seja burro, mula ou besta, os muares sempre foram e ainda são de extrema utilidade ao homem, para o transporte da carga em larga escala, agrupados nas tropas, para puxar carroças nas áreas urbanas mais modestas

Ver Artigo
Primeira notícia sobre tropas e tropeiros

Em Muniz Freire, Estado do Espírito Santo, as tropas são, ainda hoje (escrevo em 1957), muito usadas

Ver Artigo
Tropas e Tropeiros no Espírito Santo

O poeta Casemiro de Abreu, Nilo Bruzzi enfatizou o trabalho de caixeiro-viajante, ou cometa, que saía do Rio em lombo de burro, com canastras de couro recheadas de amostras de tecidos

Ver Artigo
Bar-bicacho, o bar dos tropeiros

Bar-bicacho, o dos tropeiros (esses, num tempo bem remoto);

Ver Artigo
Tropeiros

Participar da Festa do tropeiro em Ibatiba é reviver a história, é dar valor a um legado precioso da gente do Espírito Santo, da nossa gente

Ver Artigo