Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os “Grandes Coisas” - Por Hélio de Oliveira Santos

Estórias de Boemios e Outras Estórias”, 1978 - Autor: Helio de Oliveira Santos

Esta estória passou-se há uns 30 anos atrás. Estava meu irmão Alberto, o Atila Bezerra (figura muito conhecida na sociedade de Vitória e Rio, que já foi Ministro da Fazenda, hoje aposentado pelo referido Ministério, compositor e que também arranha um violão) e se não me falha a memória também o nosso Asdrubal Soares, e mais uns amigos, todos doutores, formados em advocacia, engenharia e outras doutorices...

Lá pelas tantas, mais ou menos nove horas da noite (já tinham tomado uns uísques), resolveram fazer umas serestas aqui em Vitória. E lembraram-se do Alceu. O Alceu, hoje aposentado, era na época funcionário do Banco Hypothecário e Agrícola do Estado de Minas Gerais. Ele tinha uma vozinha bonita, aranhava bem o violão, e estava sempre pronto a uma serenata, junto com amigos.

Foram a casa do Alceu ( ele morava na Duque de Caxias, na parte que tem aquela descida que dá para a Praça Costa Pereira, antiga Independência) e com cuidado, para a mulher dele não ouvir chamaram-no para a seresta. O Alceu também gostava de tomar umas e outras e com muito cuidado apanhou o violão e saiu com os doutores...

Entraram no carro e começou a romaria das serestas. E o carro, com umas três garrafas de uísque dentro. E canta aqui, canta ali, e os seresteiros, inclusive o Alceu mandando brasa, no uísque. E essa serenata entrou pela madrugada adentro, até que, já todo mundo mais pra lá do que pra cá (inclusive o Alceu, já cheio e também já rouco de tanto cantar, e também já com os dedos bêbados pois já não conseguia tocar mais nada) resolveram levar o Alceu em casa, e depois cada um tomar seu destino.

Pararam o carro em frente a casa do Alceu, e com muita dificuldade (ele morava no segundo ou terceiro andar, e o prédio não tinha elevador) foram carregando o Alceu pela escada, escada essa de madeira, que rangia como o diabo. Conseguiram botar o Alceu dentro de casa, e sua mulher estava dentro do quarto com a porta fechada e a luz acesa.

O Alceu parou em frente ao quarto de dormir do casal, e antes que a mulher desse a bronca, ele foi dizendo, com voz de bêbado.

- Meu bem, não fique preocupada. Eu estava com o Dr. Alberto, Dr. Atila, Dr. Asdrubal , e mais uns doutores!

Aí a mulher dele nessa altura já uma fera respondeu alto:

- “GRANDES COISAS!!!”

Como quem diz, o que adianta sair com doutores, para chegar em casa neste estado? Podia sair com qualquer um, que talvez chegasse em melhor situação...

 

Fonte: “Estórias de Boemios e Outras Estórias”, 1978
Autor: Helio de Oliveira Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro de 2013

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os points da Praia da Costa

Sua origem em nossas praias se deu com veemência na Praia de Copacabana. Os postos viraram “points”. Logo, essa tendência se espalhou pelas praias brasileiras

Ver Artigo
D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa imperava em toda a sua imponência no casarão misterioso que permanecia quieto e silencioso sem chamar a atenção e não ser da garotada curiosa e das fofoqueiras que, através das persianas das casas fronteiriças, vigiavam sorrateiras o entra-e-sai de “pessoas ilustres” e cheias de dignidade

Ver Artigo
Sobre Paulo Torre, uma semana depois de sua morte

Nosso último encontro foi na quarta-feira, dia 11 de outubro de 1995, seis dias antes de sua morte, um dia depois da de Amylton de Almeida, que o abalou muito

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo