Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Almanaque investiga

Foto: Narcélio Monteiro e reproduções

Seria a hélice exposta no pátio do Colégio Muqui a mesma que pertencia à aeronave que fez um pouso forçado em Barra do Itapemirim, por volta de 1947? A questão inquietava o leitor Narcélio Monteiro, até que ele viu a foto da aeronave, publicada na edição de 23/10/2005, em Almanaque, e descobriu que a tal hélice pertencia ao avião que vinha da Argentina para o Rio de Janeiro e, sabe-se lá por que, foi parar em Barra do Itapemirim. Para confirmar a “descoberta”, Narcélio enviou a foto da hélice que está em Muqui. A historiadora local, Nei Rambalducci, confirma que o material pertencia ao avião acidentado em Barra do Itapemirim. O fato que povoou a imaginação de moradores, como Narcélio, até hoje rende histórias. Uma delas, se verifica ou não, entrou para o anedotário local. Conta-se que, ao sair da aerovave, o piloto argentino perguntou: “ Donde estamos? Em el Pacífico o em el Atlântico?

 

Fonte: Jornal A GAZETA de 13/11/2005 – Caderno Almanaque por Adriana Bravin
Fotos: Narcélio Monteiro e reprodução Ag
Compilação e escaner: Walter de Aguiar Filho, agosto/2011
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória do ES 



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Parabólicas ao vento ou o que há além de um presépio diurno

Parabólicas ao vento ou o que há além de um presépio diurno

São enfeites prateados semicirculares, como bolas de Natal cortadas ao meio penduradas de cabeça pra baixo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo