Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Judiciário, eclesiástico, militar – Início do Século XVIII

Capa do livro: História do Estado do Espírito Santo, Autor: José Teixeira de Oliveira

A provisão do Conselho Ultramarino, de dezenove de abril de 1722, colocou a capitania sob a jurisdição do ouvidor do Rio de Janeiro.(60)

Relativamente ao foro eclesiástico, desde a expedição da bula Romani Pontificis pastoralis solicitudo, em 1676,(61) – criando o bispado do Rio de Janeiro – o Espírito Santo estava sujeito a este último.

Em relação ao governo militar, César Marques informa que os governadores “exerciam este cargo tanto civil como militarmente”,(62) isto é, acumulavam o comando das armas.

Segundo o depoimento dos memorialistas, Madail dedicou particular interesse ao povoamento, proporcionando valioso auxílio a Domingos Antunes para o desenvolvimento da colonização do S. Mateus.(63)

As “mui repetidas queixas” levadas ao conhecimento do governador geral provocaram rigorosa advertência deste para que o livrasse de ter com o administrador local “algum procedimento”.(64)

 

NOTAS

(60) - RUBIM, Notícia, 341. O lugar de ouvidor foi extinto por provisão do Conselho Ultramarino de três de julho de 1722, passando suas atribuições para o juiz ordinário (RUBIM, Memórias, 245).

(61) - A vinte e dois de novembro de 1676, Magnum Bullario.

(62) - MARQUES, Dicion. ES, 40.

(63) - Pelo bando de três de outubro de 1722 “concedeu faculdade a todo o morador desta Capitania para poder ir povoar aquele lugar com sua família; e persuadido da conveniência que resultaria ao real serviço de povoar as margens deste rio, mandou, para animar mais a ida dos novos colonos, aprontar embarcações para os conduzir grátis: na primeira expedição foi Antônio Gomes da Fonseca com quatro pessoas de sua família, Sebastião Lopes com seis, Manoel de Souza com três, Antônio Mendes de Vasconcelos com quarenta, e Antônio Borges com um escravo: deu Provisão de nomeação de Capitão-mor, na conformidade de seu regimento, a Antônio Vaz da Silva, e a Câmara da vila da Vitória nomeou Juiz da Vintena a Antônio da Rocha Cardoso” (F. A. RUBIM, Memórias para servir à História. Ver, também, FELISBELO FREIRE, Hist. Territorial, 108-9 ).

(64) - DH, LXXI, 191-2.

– Em 1723, o governador geral escrevia: “Não há pessoa assim secular, como eclesiástica, e oficiais de justiça dessa Capitania que se não queixem dos excessos de Vossa Mercê e do seu procedimento” (DH, LXXI, 222). Segundo se infere das cartas dirigidas por aquela autoridade superior a Madail, a principal causa das queixas era a interferência deste “na jurisdição dos juízes e oficiais de justiça”.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Teve no Espírito Santo, atividade destacada, não só no ministério, como na advocacia e na política, tendo sido, também, deputado da 1ª Assembléia Provincial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Marcelino Champagnat

Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat nasce a 20 de maio de 1789, em Marlhes, aldeia de montanha no Centro-Leste da França, no início da Revolução Francesa

Ver Artigo
A PMES na Guerra do Paraguai: há 150 anos – Gelson Loiola

O enviar do efetivo da companhia de Polícia para a guerra, foi autorizada pela Assembleia Legislativa Provincial  mediante a aprovação e sanção da Lei nº 3, de 4 de maio de 1868

Ver Artigo
A Viagem do Imperador Pedro II à Província do Espírito Santo

Aos 35 anos de idade, estava ele no auge da vitalidade, naquele verão de 1859/1860

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo