Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

O Convento de São Francisco

Convento de São Francisco

O Convento de São Francisco, o mais antigo do sul do Brasil, foi a primeira habitação que teve água a domicílio. O guardião Frei Paulo de Santo Antônio deve ter sido o primeiro entendido na arte de nivelar, topógrafo, digamos assim, na vila de Vitória. Foi o construtor do aqueduto que trouxe água da Fonte Grande para a cozinha do Convento (1643), donde se tirou um ramal, em tubo de ferro para o chafariz, que durou até o começo do século, fronteiro ao edifício da Maçonaria (1737).

Em 1744, quando se levantou o clássico cruzeiro, murou-se a ladeira nos dois lados, para facilitar o acesso das devotas até a portaria do Convento. As torres foram beneficiadas entre aquele ano e o de 1781, conforme atesta a cartela, que o estucador deixou gravado no nicho dos sinos.

Quem entalhou os alteres foi Frei Cosme de S. Damião (1617).

São Francisco, padroeiro da Ordem, encimava o altor mor, e nos nichos laterais, ficavam as imagens de Sto. Antônio e São Benedito. A irmandade deste milagroso Santo, de tez africana, foi célebre e constituiu motivo de muita rixa entre os devotos.

Santo Antônio, a requerimento de Frei Amaro da Conceição, 21 de fevereiro de 1752, foi matriculado soldado na Companhia de Infantaria, vencendo, por mês, um vintém de cada praça e dois por oficial. Comandava a unidade militar o Capitão José Borges, servindo de Procurador, Falcão Gouvêa.

No chão de marinha, doado pela Câmara, no lado da Lapa, o guardião Frei Diogo de Santo Inácio constrói pequeno armazém e um cais para atracação de canoas, recebendo o nome de Cais São Francisco, atingindo a Rua Tapera.

Os franciscanos tiveram noviciados antes de os seus irmãos de Ordem tê-lo inaugurado no Rio de Janeiro (1638).

Praticaram a caridade e não se descuidaram da pobreza. Cumpriram a missão nobilitante que o “Pobre de Assis” lhes deixaram como herança mister.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, Rio de Janeiro, Editora Pongetti, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilado por: Walter de Aguiar Filho, julho/2012

História do ES

Moniz Freire na Presidência do Estado

Moniz Freire na Presidência do Estado

José de Melo Carvalho Moniz Freire assumiu as rédeas do governo, eleito pela Assembléia, para cumprir mandado constitucional de 1892 a 1896

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Primeiros sacrifícios do donatário: a venda das propriedades – Vasco Coutinho

Para prover às despesas Vasco Coutinho vendeu a quinta de Alenquer à Real Fazenda

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A Vila de Alenquer e a História do ES - Por João Eurípedes Franklin Leal

O nome, Espírito Santo, para a capitania, está estabelecido devido a chegada de Vasco Coutinho num domingo de Pentecoste, 23 de maio de 1535, dia da festa cristã do Divino Espírito Santo, entretanto... 

Ver Artigo