Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Recenseamento – Terceira década do Século XVIII

João V, foi Rei de Portugal e Algarves de 1706 (1707 sendo feita a aclamação) até 1750.

Graças à documentação que instruiu o processo relativo àquelas obras, ficamos sabendo que, entre 1728 e 1730, a vila da Vitória “se achava mui destituida de cabedaes e atenuada por falta de negocio, sendo por esta cauza muy pobres os seus moradores; que os vizinhos de que se compunha passavão de 5.000 entre brancos, pardos, pretos forros e captivos, que os fogos que nella havião passavão de 700, que os dizimos não chegavão em muitas occasiões a cobrir os filhos da folha, não passando o seu rendimento de 2:500$000”.(73)

Cousas da administração colonial – Pedro Bueno Cacunda não cessou jamais os seus trabalhos em busca das minas. Burlando a vigilância dos delegados d’el-rei e as insensatas disposições que proibiam o desbravamento dos sertões, perlustrou as principais regiões metalíferas da capitania, revelando suas riquezas, provocando seu povoamento. O resultado portentoso da sua odisséia foi relatado por ele mesmo na carta dirigida ao rei, datada de oito de setembro de 1735, no “Arraial de Santa Anna”.(74) Nesse documento, o audaz sertanista pedia a superintendência das minas e das passagens dos rios Mayguassu (Manhuaçu), Guandu e Itapemirim e quatro hábitos de Cristo, lembrando a necessidade de se estabelecer uma espécie de corpo de polícia, constituído de oitenta homens armados, para manter em respeito as “naçoens do gentio inhumano”. Pedia, também, caso a Coroa permitisse a continuação das explorações, lhe fosse facultado retirar sessenta índios das aldeias administradas pelos jesuítas e religiosos de Santo Antônio “para com estes fortalecer as estalagens que tenho feito e as mais que serão necessarias, rezistir ao encontro do gentio barbaro que nos possa hostilizar e abrir caminho para entrar povo, para o que he tambem necessario serem providos de ferramentas”.

Informa Alberto Lamego que o Conselho Ultramarino deu parecer, em parte, favorável, tendo sido expedidas ordens ao conde de Sabugosa para fornecer utilidades a Cacunda e determinar aos diretores das aldeias a entrega dos índios requeridos. Consultados pelo vice-rei, os padres da Companhia deram tais informações que Sabugosa apôs na petição de Cacunda o seguinte despacho: “A S. Mag. darei conta porque não cumpro a portaria”. Vencido por tão poderoso voto, Cacunda recolheu-se às cabeceiras do rio Doce, onde enfrentou, por muitos anos, a ferocidade do gentio.(75)

 

NOTAS

(73) - Informação do provedor da Fazenda do Rio de Janeiro, baseada em elementos de outra do seu colega do Espírito Santo (ALMEIDA, Inventário, VII, 133-4). No mesmo documento, se lê mais o seguinte: “não sabia que houvesse naquella Capitania [Espírito Santo] effeitos alguns donde sahisse a despeza que se havia de fazer com a reedificação da dita Igreja”.

– A consulta do Cons Ult, de vinte e sete de julho de 1731, transcreve ipsis litteris os termos da informação supracitada (ALMEIDA, Inventário, VIII, 103).

(74) - Carta de Pedro Bueno Cacunda, dirigida ao rei, em que lhe relata as suas explorações pelos sertões das Minas e lhe pede varias mercês, em remuneração dos seus serviços (ALMEIDA, Inventário, VII, 199-201).

(75) - LAMEGO, Terra Goitacá, II, 276-9.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

História do ES

A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo