Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Teatro Melpômene

Teatro Melpômene

O Teatro e a sua concepção  

O Melpômene, a mais importante sala de espetáculo do século XIX, surgiu em 1896, já na República.

A construção foi iniciada no dia 14 de dezembro de 1895, pelo Governo Moniz Freire (1892-1896), no antigo largo da Conceição (atual Costa Pereira), no local onde está hoje o Hotel Império, na entrada da Rua 7 de setembro, esquina com Graciano Neves.

O Projeto foi elaborado pelo engenheiro italiano Felinto Santoro, Diretor de Obras do Estado. Segundo André Carloni, depois de deixar o cargo, Santoro saiu de Vitória, tendo voltado à Europa. Este também dirigiu as obras, auxiliado pelos engenheiros e colegas do órgão público, Leopoldo Cunha, Antônio Francisco Atayde, Rossi e pelo arquiteto Guilherme Oatis.                                                       

Era todo construído em pinho de Riga importado da Suécia e possuía iluminação elétrica de geração própria, quando ainda não havia energia elétrica em Vitória. Tinha capacidade para 1200 pessoas.

Participou de sua construção o carpinteiro italiano Giuseppe Giovanotti, chegado a Vitória em 1894. A cobertura era de telhas francesas, importadas de Marselha. As colunas e grades das frisas e dos camarotes em ferro forjado, bem como os operários especializados vieram do Rio de Janeiro e São Paulo. Recebeu o apelido de "Teatro de pau".

O principal decorador foi Spiridione Astolfoni, natural da província de Pádova, Itália, chegado a Vitória em 1895, aos 42 anos de idade. Teve como ajudante o jovem patrício André Carloni, então com 13 anos. Este último continuaria pintando os cenários e os cartazes para o Melpômene, durante o seu funcionamento.    

Ele ocupava o terreno onde, mais tarde, ficou erigido o Hotel Império, na Praça Costa Pereira, então Largo da Conceição. O Melpômene sofreu um princípio de incêndio durante exibição de filme, em 8 de outubro de 1924, causando grande pânico por ser de madeira. A partir desse episódio, foi o teatro vendido a André Carloni que aproveitou as colunas de ferro fundido para sustentáculo do Teatro Carlos Gomes, por ele iniciado. Este último, foi inaugurado em 1927, no Governo Florentino Ávidos.

 

A polêmica criada com o nome

Pela Lei N.º 44, de 27/11/1872, era "concedida à Sociedade Dramática Particular, denominada "Melpômene", o empréstimo que solicitou seis contos de réis (6:000$000), em quatro prestações semestrais para a construção de um Theatro nesta capital, com 60 palmos de frente e 100 de comprimento, conforme plano já organizado."  O nome Melpômene era uma homenagem à musa da tragédia grega. Contrariou a opinião de alguns homens públicos da época, que pretendiam que se chamasse TDP - Theatro Dramático Público". Segundo alguns articulistas, a mudança do nome para Melpômene foi uma forma de evitar o escárnio da oposição que traduziu imediatamente a sigla TDP, como "Teatro de Pau", ironia ao fato do mesmo ter sido construído de pinho-de-riga. Entretanto, a mudança daquela para outra sigla TM, inserida no frontispício (Theatro Melpômene), passou a ser lida, pelos opositores ao Governo, como "Theatro de Madeira". Tais adversários criticavam o "dispêndio de 402 contos de réis, gastos com a construção de teatro e a desapropriação da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha.

 

Pelo Decreto N.º 57, de 19 de maio de 1896

A antiga e já arruinada Igreja de Nossa Senhora da Conceição (século XVIII), do largo da Conceição ou da Prainha (chamada primitivamente Porto da Lanchas), era vendida por 50 contos de réis e demolida, para permitir o alargamento do espaço em frente ao Teatro.

Em abril de 1913, o Teatro Melpômene era transferido à empresa Trinxete & Cia e a Getúlio Simões. Mas, pela Lei N.º 961, de 6/12/1913 era aprovado o contrato de transferência do arrendamento a Getúlio Simões e Raulino Pinheiro, firmado a 4 de setembro de 1913. A última apresentação no Melpômene foi a revista "Só Orso", escrita por Deocleciano Coelho, depois do fracasso da Companhia Pinto Filho, cujo repertório não agradou ao público.

Sem ajuda dos governos estaduais, que não patrocinavam reformas e conservação, nem temporadas artísticas, nem davam apoio ao teatro amador, o Melpômene acabaria por ter desvirtuado o fim específico para o qual foi construído. O Governador Moacir Avidos instalava no Teatro, os "Serviços de Melhoramentos de Vitória".

 

O Incêndio e a sua demolição por André Carloni

Transformado em cinema, no dia 8 de outubro de 1923, quando da exibição do filme "Ordens Secretas", em sessão noturna, houve início de incêndio na cabine de projeção, o que acarretou a interdição do Melpômene e a sua venda, em 1925, a André Carloni, por 60 contos de réis. O novo proprietário demoliu o Edifício, no mesmo ano da compra, transferindo as colunas e outros materiais para o Teatro Carlos Gomes, que começava a construir em terreno nas proximidades. "O madeiramento de pinho-de-riga foi todo desperdiçado na construção de barracões de emergência." (Derenzi, 1965, p.218).

 

Nota do Site: Sua capacidade de 1200 pessoas, também é citada por alguns autores como de 400 pessoas e 800 pessoas/ a data do incêncio de 8/10/1923, aparece citada em outros trabalhos como de 9/10/1924, posteriormente essas correções observadas na compilação poderão ser corrigidas em novos trabalhos de pesquisa sobre o Melpômene.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho em 09/06/2011

 

FONTES: Castiglione, Aurélia e Reginato, M (org.). Banco de Dados sobre imigração italiana. Vitória, Arquivo Público Estadual, s.d.
Feitosa, Edgard. "Você conhece Vitória antiga?"
A Gazeta, Vitória, 19 de março 1972, p.6
Commercio do Espírito Santo, Vitória, 16 e 22 de maio de 1896, p.1.
Derenzi, Luiz Serafim. Biografia de uma ilha. Rio de Janeiro, Pongetti, 1965.
O Cachoeirano, Cachoeiro de Itapemirim, 29 de março, p.2 e 31 de maio de 1896, p.3.
O Espírito- Santense, Vitória, 06 de julho de 1871, p.1
Novaes, M.S. História do Espírito Santo. Vitória, Fundo Editorial do ES, s.d.
LOPES, A.S. Arte no Espírito Santo, do século XIX à Primeira República. Vitória, A1, 1997
Gabriel Bittencourt e Nádia Alcuri Campos. Palácio Anchieta: de colégio à casa da governadoria, Vitória, 2000
Projeto de Modernização e Administração Fazendária - PROMAF/ES


 

 

 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Vitória Colonial – Por Mário Freire

Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo