Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Um 171 do Século 18

Foto ilustrativa escaneada da própria matéria da Revista Zêniteevista

Há palavras ou expressões que surgem por força de alguma coisa externa à língua, em determinado momento da História: um fato, um costume, um uso, um modismo (hábito que logo passa), novidades da evolução. Marcada pela sua época de origem, a expressão tende também a desaparecer quando o que a originou cai em desuso. É assim que, de repente, as pessoas se vêem falando coisas que não sabem explicar, pois é uma questão de conhecimento (os “saberes” que sustentam a cultura do meio em que se vive).

É o caso do substantivo “conto-do-vigário”. Tudo começou no Século 18, em Ouro Preto (MG). Duas paróquias, Pilar e Conceição, receberam de presente a mesma imagem de Nossa Senhora. Para definir qual ficaria com o presente, os vigários colocaram um burro com a imagem amarrada às costas no meio do caminho entre as duas igreja; aquela para onde ele se dirigisse seria a felizarda. E a vencedora foi... a Igreja de Pilar!...   Soube-se mais tarde que o burro era do vigário da igreja vencedora, que o havia treinado para seguir para lá...

O site “Exacta Press” oferece uma outra versão: “Segundo a pesquisadora mineira Lourdes Aurora, a expressão inicial era ‘cair na conta do vigário’, pois recebiam ouro roubado e pagavam pouco aos escravos. Várias igrejas foram construídas, segundo Lourdes, pela tal ‘conta do vigário’. Daí que veio a palavra vigarista, pessoa que agia como os vigários d’antanho.”

Com efeito, diz o Dicionário Aurélio que a palavra “vigarista” é a junção de “(conto-do-) vigário” com o sufixo “-ista”. O Dicionário Etimológico informa que ambas as palavras (vigário e vigarista) são derivadas do latim “vicarius” (=vicário, “que faz as vezes de outrem ou de outra coisa”). No rigor semântico, “vigário” designa o padre que substitui o titular em uma paróquia.

Na boca do povo, a expressão “conto-do-vigário” já está atualizada pela maior (e oportuníssima) difusão das leis em nosso país: agora é 171, artigo do Código Penal que trata das tentativas de levar alguém de boa-fé na conversa, “no bico”, “no lero”, do estelionato, enfim.

 

Fonte: Revista Zênite, Ano 8 - Edição 25 (novembro, dezembro2011 e janeiro/2012)
Contatos com a redação da revista: zenite.revista@gmail.com

Autor: Maurilen de Paulo Cruz
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março /2012 

 

Curiosidades

Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Um desses amores nasceu lá pelos lados da região de Arataca. Um jovem tropeiro despertou o coração da filha de um abastado fazendeiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo