Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Belchior de Azeredo é feito capitão (1560)

Ruínas da casa de Vasco Fernandes Coutinho, na Praia da Costa - Ilustração: Livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno

Curioso, muito curioso, é que o provimento dado pelo próprio Mem de Sá a Belchior de Azeredo,(29) fazendo-o capitão do Espírito Santo, é datado de três de agosto,(30) isto é, sete meses depois da sua primeira visita à capitania. Fê-lo o governador geral “nesta villa de Nossa Senhora da Victoria”, quando regressava do Rio de Janeiro para a Bahia. Os seus termos, além do mais, não coincidem precisamente com as informações contidas na epístola de trinta e um de março. Nesta, ele se refere à carta e à procuração de Vasco Coutinho; no provimento, lemos a seguinte afirmação categórica: “Vindo eu correr a costa, Vasco Fernandes Coutinho, capitão e governador, que era della [capitania do Espírito Santo], a renunciou em Sua Alteza, e eu...”

Parece razoável admitir que em agosto Vasco Coutinho já havia tornado à colônia e, pessoalmente, apresentara a Mem de Sá o pedido de renúncia. Só assim se explica a existência do provimento de três daquele mês, pois ficáramos sabendo, pela carta, que o governador geral tomara posse da capitania em nome da Coroa quando se dirigia para o sul. Em síntese, o provimento pode ser considerado uma segunda via do auto, porém reforçada pelo pedido direto e pessoal do renunciante.

Belchior de Azeredo foi nomeado capitão do senhorio “por ser elegido pelo povo, e as mais vozes”, atribuindo-se-lhe o uso “de todos os poderes e jurisdições que Vasco Fernandes Coutinho tinha”.

 

NOTAS

(29) - Belchior de Azeredo, que encontramos nas Cartas, III, 464 e 467, como Melchior de Azeredo e d’Azeredo. No diploma de sua nomeação para os cargos de “Escrivão d’ante o Provedor, Feitor, e Almoxarife, e Alfândega” (DH, XXXV, 62), se lê: Belchior de Azevedo. Os jesuítas consideravam-no “pessoa mui nobre e pera este oficio [capitão] mui sufficiente, assy por sua virtude e saber como por ter elle animo pera sojeitar estes Indios e resestir aos grandes combates dos Franceses [...] Todos os seus negocios e cousas de consciência comunica sempre com o P.e Brás Lourenço, a quem elle tem muito credito, e obediência in Domino, e hé muito nosso familiar, e nos manda comumente ajudar com suas esmolas” (Cartas, III, 465). Teremos oportunidade de mencionar, no texto, outros serviços seus.

– BASÍLIO DAEMON, a nosso ver, equivocou-se quando afirmou terem existido, “naquela época, na Capitania, dois homens de igual nome, e que ocupavam nela importantes lugares, e foram Belchior de Azeredo Coitinho, o Velho, e Belchior de Azeredo Coitinho, o Moço, este sobrinho daquele” (Prov. ES, 75). Logo adiante, o efemeredista capixaba assevera que o “Velho” foi “nomeado capitão-mor da Capitania a pedido do povo, e que para aqui viera por instâncias de Vasco Coitinho para exercer o lugar de administrador da Justiça, e seu secretário particular”. Ao outro, isto é, ao sobrinho, atribui as façanhas da baía da Guanabara, conforme a seu tempo se verá.

– Preferimos ficar com o padre SERAFIM LEITE, que, repetindo José de Anchieta, diz: “Belchior de Azeredo teve dois sobrinhos, Marcos de Azeredo e Miguel de Azeredo” (HCJB, I, 222-3).

– Diligentes pesquisas levaram-nos à conclusão de que só existia, na capitania do Espírito Santo, nessa primeira fase da sua história, um indivíduo chamado Belchior de Azeredo, que foi – só ele – administrador da Justiça, secretário de Vasco Fernandes Coutinho, provedor da Fazenda, capitão-mor e herói celebrado por Estácio de Sá em documento que oportunamente recordaremos.

(30) - “Mem de Sá, do conselho d’el-rei Nosso Senhor, capitão da cidade do Salvador, Bahia de Todos os Santos, e governador geral em todas as capitanias e terras de toda a costa do Brasil pelo dito senhor. Faço saber aos juízes, vereadores e povo desta capitania do Espírito Santo, que vindo eu correr a costa, Vasco Fernandes Coutinho, capitão e governador que era dela, a renunciou em Sua Alteza, e eu em nome do dito Senhor a aceitei, e em seu nome faço capitão dela a Belchior de Azeredo cavaleiro da casa d’el-rei Nosso Senhor, por ser elegido pelo povo, e as mais vozes, e por confiar dele em tudo o que encarregar do serviço de Sua Alteza, o fará bem, e fielmente, e como deve, e ele poderá usar de todos os poderes e jurisdições que Vasco Fernandes Coutinho tinha, e usará por bem de suas doações, e haverá todos os próis e percalços ao dito ofício ordenados, enquanto servir o dito cargo, que será até Sua Alteza prover, e a mim me parecer seu serviço, e ele haverá juramento em câmara, para que seja metido de posse do dito cargo, sobre os Santos Evangelhos, que bem e verdadeiramente servirá o dito cargo, guardando em tudo o serviço de Deus, e de Sua Alteza, o direito das partes, de que se fará assento nas costas desta, e será registada no livro da dita câmara, onde se fará outro do termo do dito juramento, que o dito Belchior de Azeredo assinará. Pelo que vos mando que obedeçais em tudo e por tudo o que vos por ele for mandado, como capitão que é. Cumpri-o assim. – Dado nesta vila de Nossa Senhora da Vitória, sob meu sinal e selo das suas armas. – Hoje três de agosto de 1560. Antônio Serrão a fez. – Mem de Sá” (apud JOSÉ MARCELINO, Ensaio, 15).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

D. Jorge de Menezes à frente da capitania

D. Jorge de Menezes à frente da capitania

Rocha Pombo resumiu o homem nestas palavras: “Valente, é exato, mas cheio de paixões incompatíveis com a compostura de uma autoridade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

Muito progredira a capitania desde a chegada da Grorya à enseada do Espírito Santo. Vivo estivesse, o primeiro donatário poderia dizer, com justo orgulho, que não fora vão o sacrifício que se impusera para plantar a bandeira do seu rei nesta nesga do solo brasileiro

Ver Artigo
Donatário Francisco de Aguiar Coutinho, parente do Vasco

Aguiar Coutinho só assumiu a direção da capitania depois de 1605. Durante sua administração, Azeredo foi parte e testemunha de dois importantes acontecimentos 

Ver Artigo
Ainda Vasco Coutinho Filho

Coube aos ingleses pregar um susto a Vasco Coutinho (filho). Surgindo frente ao Espírito Santo, as três naus de que se compunha a expedição

Ver Artigo
Morre o segundo donatário e assume sua esposa

Sucedeu-lhe na direção da capitania sua viúva, D. Luísa Grinalda, que nomeou seu adjunto no governo o capitão Miguel de Azeredo punha a expedição 

Ver Artigo
Tourinho, Adorno, metais e pedras preciosas

Tourinho é considerado o “descobridor das esmeraldas”. Promoveu uma expedição sob a direção de Antônio Dias Adorno

Ver Artigo