Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios e os colonos, quadro de Benedito Calixto, do acervo do Convento da Penha - Foto: Edson Chagas

Em A História Popular do Convento da Penha, Guilherme Santos Neves chama a atenção para o fato de que “a piedosa vida de Pedro Palácios só começa realmente a registrar-se para a história, quando, impelido por natural pendor, toma ele o hábito de religioso leigo, e como tal vive na província de São José dos Reformados, em Castela (Espanha), passando mais tarde para a província da Arrábica, em Portugal, onde vai servir como enfermeiro, no Hospital Real de Lisboa, desvelando-se, com grande amor e caridade, junto aos leitos dos seus enfermos”.

Foi um sonho que o impeliu a viajar para as terras do Brasil: nesse sonho apareceu-lhe um anjo que descia do céu e salvava da morte, num rio profundo, um grupo de pessoas prestes a afogar-se. O anjo os agarrara pelos cabelos e os trouxera para a margem.

Esse sonho o impressionou e o fez pensar que era uma mensagem divina. Ele sabia que criaturas de Deus se afogavam na cegueira do mal e da barbárie nas terras da Colônia portuguesa de além-mar. Dessa maneira, conseguindo licença do seu superior, embarcou para o Brasil, aportando em Porto Seguro. Lá ficou sabendo que não havia na Capitania do Espírito Santo nenhum missionário da sua Ordem. Foi assim que chegou a terras capixabas.

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres, e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé.

Frei Jaboatão, citado por Guilherme Santos Neves, relata a viagem do franciscano para o Espírito Santo: “Da sua passagem do Reino para o Brasil, só achamos escrito, fora o ano de 1558, e sendo o navio que o transportava acometido na viagem de uma rija e furiosa tormenta, nos últimos apertos, recorrendo os navegantes a Frei Pedro Palácios pelo bom conceito que já haviam formado de sua virtude, e tomando-lhe o manto o lançaram ao mar, e foi o mesmo estender-se sobre as águas, que baixaram logo a soberba de suas empoladas ondas; ausentaram-se os ventos que as moviam contrários, e soprando outros mais favoráveis, tomaram o porto com feliz viagem no de Vila Velha, Capitania do Espírito Santo” (crônica in Correio da Vitória, nº 72, de 28/06/1872.)

Em Vila Velha, o frei foi morar no alto do Morro da Penha. Muitas vezes passava tempos na gruta que existe no sopé do morro e que até hoje é chamada por muitos de “Gruta do Frei Pedro Palácios”.

É importante chamar a atenção para o fato de que Frei Pedro Palácios foi o primeiro pregador e anunciador do Evangelho para os nativos, na Capitania do Espírito Santo. O Correio da Vitória de 1872 transcreve testemunhos de pessoas que o conheceram. Um desse é o de Nuno Rodrigues, morador na Vila do Espírito Santo, homem de cento e dois anos de idade e em pleno domínio das suas faculdades mentais: “Disse que conheceu aqui na Vila do Espírito Santo o Padre Frei Pedro, religioso leigo da Ordem de São Francisco, haverá cinquenta anos, ao qual tratou particularmente, e lhe disse que era castelhano de nação, natural de Medina do Rio Seco, perto de Salamanca, e o viu ordinariamente andar pelas ruas, ensinando a doutrina cristã aos meninos e a todos, e o mesmo ia fazer pelas Aldeias dos índios, onde ainda não residiam religiosos das Companhia, senão aqui na Vila, e lá nas ditas aldeias batizava aos índios, que se convertiam à fé católica, e era mui zeloso da salvação das almas”. (História Popular do Convento da Penha, de Guilherme Santos Neves).

Foi o Frei Pedro o fundador do Convento da Penha. Ajudou mesmo a carregar materiais até o alto da montanha onde foi construída a ermida. Mais tarde, a obra foi, então, completada por seus sucessores.

Frei Pedro Palácios foi encontrado morto no dia primeiro de maio de 1570.

O Convento da Penha é hoje o maior monumento religioso do Espírito Santo, visitado por religiosos e turistas do Brasil e do exterior.

 

Fonte: A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao Século XXI – Página 8. Fascículo 3. Encartado no jornal A Gazeta, de 24 de junho de 1999
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2013 

 

Convento da Penha

Arquitetura e a Ornamentação do Convento da Penha

Arquitetura e a Ornamentação do Convento da Penha

Chester Smith acreditava, assim, que o alpendre à frente da residência dos padres no Convento de N. S. da Penha pudesse ser o mais antigo do Brasil – o que é um tanto difícil de conceber

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo
As Festividades da Penha – Por Heribaldo Lopes Balestero

Gottfrio Alberto Anders prestou homenagem à memória de Frei Pedro Palácios, inaugurando-lhe a estátua na praça fronteira ao pórtico, na Prainha

Ver Artigo
Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Os Primeiros (Parte I)

Outras personagens lá estiveram e entre elas a própria Dona Luísa Grinalda, que, como Governadora da Capitania

Ver Artigo
Origem do nome Convento da Penha

Nossa Senhora da Penha era o cognome da Nossa Senhora dos Prazeres ou das Alegrias, amplamente venerada pelos fiéis que cultuavam Maria Santíssima. Os antigos portugueses a veneravam como Nossa Senhora da Penha de Cintra,

Ver Artigo