Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cinema de Aracruz - Parte II

Cine Mara em Aracruz

Novos problemas causaram outra interrupção. Mas outra vez o cinema não demoraria a voltar à atividade, por volta de 1969, agora na antiga Casa de Pedra da Venâncio Flores (hoje demolida, para dar lugar ao estacionamento do Supermercado Aracruz), alugada de Ângelo Marcos Trazzi. O novo nome, “Cine Mara” homenageava Liamara, primeira (então única) filha de Jovino. Ele passou pelo menos dois anos fazendo reformas no local.

A fase da Casa de Pedra foi a mais áurea e popular, além de mais folclórica, na história dos cinemas de Jovino. Ali se exibiram famosos exemplares da arte cinematográfica, embora anos depois do lançamento.

Curiosamente, pode-se dizer que exatamente isto é que foi seu maior mérito, ao permitir a seus freqüentadores a aquisição de uma ampla formação sobre a própria história do Cinema. Afinal, puderam conhecer e avaliar, ao vivo, exemplares que marcaram época quando muitos deste aracruzenses nem tinham ainda nascido ou usavam fraldas!

Assim, figuraram entre os hits do Cine Mara: O Gordo e o Magro, Tarzan, seriados, filmes de terror, superproduções sobre episódios da História Universal (especialmente os bíblicos), musicais de Hollywood, eventuais exemplares do Neo-Realismo italiano (aliás, pouco aceitos pelo público), Chanchadas Brasileiras e faroestes, muitos faroestes.

 

Modernidade

 

Ao terminar as reformas da Casa de Pedra, em 1971, Jovino adquiriu o terreno na esquina das Ruas Aristides Guaraná e Quintino Loureiro, próxima a sua residência, e começou a construir um prédio próprio para o cinema, Seu projeto previa um majestoso edifício, com um cinema de grande porte, À altura da cidade, que começava a se modernizar com as notícias da chegada da Aracruz Celulose.

Não foram poucas as dificuldades, principalmente financeiras, mas a construção ficou pronta em cerca de cinco anos. E a estréia do “Cine Marliani” (combinação dos nomes de Liamara e Liliani, filhas de Jovino) aconteceu em 28/2/76, Sábado de Carnaval, com a exibição de um sucesso de então (“Kung-Fu, os Dois Dragões de Hong-Kong”, produção chinesa), numa demonstração de que a programação procuraria ser a mais moderna possível.

Num edifício de dois pavimentos construído sob a mais moderna técnica de alvenaria, o cinema tinha 360 lugares, em cadeiras muito confortáveis, com piso inclinado e até um pequeno palco (chegou a ser usado para espetáculos de mágica e shows) em frente à imensa tela, que tomava toda a largura e toda a altura da parede dos fundos.

Em torno da grande sala de projeção havia algumas outras, que podiam ser usadas por fumantes, um descanso ou um bate-papo, e todo o conjunto contava com um criativo e eficiente sistema de ventilação. A projeção dos filmes era feita de amplas salas numa sobreloja por cima da entrada, contando com técnica moderna, em 70 milímetros.

 

Profecia

 

A estréia do Cine Marliani foi um dia de festa para os aracruzenses apaixonados pela Sétima Arte. Jovino recebeu muitos cumprimentos, ma só de amigos e admiradores, porque a omissão das autoridades foi total, como se a estréia do imponente cinema nada significasse para Aracruz.

Isto talvez se explique pelo fato de que Jovino fez questão de que não houvesse festas nem pompas e sim a grande humildade que sempre caracterizou tanto o próprio dono do cinema quanto “as pessoas que estavam com ele desde a igrejinha”, como Jovino carinhosamente fazia questão de se referir aos freqüentadores de seus cinemas.

Jovino organizou um sistema de entrada e saída das pessoas por caminhos diferentes, para que pudessem ver todas as instalações. Ao imaginar o duplo prazer que seria poder assistir a filmes com tanto conforto e modernidade, os velhos clientes do Cine Mara em geral não escondiam a emoção e emitiam as mais entusiasmadas opiniões, em geral comparando o novo Marliani aos melhores cinemas do Estado!

Mas, sem dúvida, uma das opiniões – “Meu Deus, Aracruz não merece este cinema!!!” -, dada por um admirado Édio José Filho de Oliveira, mais conhecido como “Genoveva”, caiu como uma profecia: menos de 10 anos depois, em 4/11/85, a tela do Marliani se apagou para sempre, logo após a exibição de “A Dama de Vermelho”. No dia seguinte, o prédio começou a ser adaptado para abrigar o Banco Itaú, que ainda lá funciona.

O Cine Marliani teve dias de glória, mas com o tempo, foi conhecendo a decadência, devido à baixa frequência, principal fator para o fechamento, segundo Jovino. Ele explica que “cansou de lutar sozinho”, pois contava apenas com o apoio da família e, às vezes, a própria filha dele é quem tinha que atuar como operadora das máquinas.

Jovino sempre achou “muito estranha”, não conseguia entender a ausência do público do moderno Cine Marlian, pois entendia que tinha eliminado praticamente todos os problemas que o Mara apresentava, chegando a exibir lançamentos ao mesmo tempo que os cinemas de Vitória.

À parte a influência do videocassete, em plena explosão nesta época, quem sabe se o que afastou o público não foi exatamente o que ele pensou que o atrairia? Ou seja: a modernidade do Marliani o estilizou, tornou-o impessoal, distanciado do público, matando aquela intimidade gostosa que surgia naturalmente das folclóricas improvisações atípicas da saudosa saga do Leila, do Esperança e, principalmente, do Mara...

 

Fonte: Faça-se Aracruz! (Subsídios para estudos sobre o município),1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha
Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

 

Links Relacionados:

 
Cinema de Aracruz - Parte I


História do ES

O Teatro capixaba de antanho

O Teatro capixaba de antanho

Recordemos, por último, que somente em maio de 1896 era inaugurado, em Vitória, o “Teatro Melpomene”, belo e amplo edifício de madeira, com capacidade para 1.200 expectadores. Não seria o 1º da Província, pois em 1875 se inaugurava, na cidade de São Mateus, um teatro que, infelizmente, teve curta existência

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo