Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rod. do Sol e Darly Santos

Rodosol Trevo Darly Santos, 1987

Um dos fatores decisivos para o crescimento de Vila Velha foi a abertura da Rodovia do Sol, iniciada no final dos anos 60, pelo trecho Guarapari-Setiba. Em 1974 foi concluída a obra, e em 1977 o asfalto chegou. Foi a via que incorporou o litoral ao uso e ocupação do solo. Na fase mais significativa foram vendidos 35 mil lotes, expandindo a mancha urbana para toda a orla.

Em 1976, dos 14 loteamentos aprovados pela prefeitura, oito estavam localizados no distrito da Barra do Jucu. Foi nos anos 70 que Vila Velha absorveu 43% das migrações da Grande Vitória, seguido de Cariacica com 22% e da Serra com 21%. A partir daí surgiram bolsões de miséria na periferia, a exemplo de Santa Rita. Desde aquela época, o crescimento urbano passou a ser desordenado: formação de imensas áreas de invasões, de conjuntos habitacionais e a verticalização da Praia da Costa. Vila Velha absorveu quase 55% dos conjuntos habitacionais da Cohab e do Inocoop, além de 45% do total de unidades habitacionais desses conjuntos.

A construção da Terceira Ponte foi outro vetor que influiu para a formação do mercado imobiliário. Tanto é que a interrupção das obras em 1978 teve efeito negativo no mercado de lotes. A década de 80 foi marcada pela formação de indústria da construção civil, concentrando atividades na construção de edifícios na Praia da Costa, em Itapoã e Itaparica.

A Terceira Ponte reavivou o continente, que acumulava cansaço por décadas de congestionamentos nas duas primeiras pontes. A partir de 1989, as praias do Canto e da Costa se tornaram próximas, permitindo trabalhar numa cidade e morar na outra, incluindo a volta para o almoço.

Antes da Terceira Ponte a maior parte dos que trabalhavam em Vitória só retornava para o continente à noite. O mercado imobiliário e da construção civil tomaram fôlego, verticalizando de forma agressiva a a Praia da Costa. A violência foi tamanha que os prédios foram erguidos praticamente “colados” uns aos outros.

Rodovia Darly Santos

A Rodovia Darly Santos foi construída em 1986. A idéia era gerar o encurtamento do trajeto para Guarapari. Naquela época a população ainda não contava com a 3ª Ponte e todo o trânsito passava pelo centro de Vila Velha.

A rodovia foi projetada com pista dupla tendo, para tal, sido desapropriada uma faixa com 40m de largura.

Na época, o Governo entendeu que era necessário permitir o desenvolvimento na Grande Vitória, mas também dar oportunidades aos moradores do campo e realizou a construção da via com pista simples visando permitir a adequação de recursos para outros investimentos.

A primeira fase de implantação ficou restrita a uma pista somente, a qual era suficiente na época para atender a demanda, constituída na sua maior parte por tráfego de veículos que circulavam entre Vitória e Guarapari. A rodovia contribuiu, por alguns anos, para diminuir o tráfego na área central de Vila Velha.

Era uma oportunidade de abrir a 1ª etapa da tão sonhada ligação com a BR 101, visto que o projeto inicial elaborado pelo então DER chegava às imediações da Ceasa, o que foi alterado mais tarde em decorrência da ocupação urbanística.

O estudo de viabilidade, realizado pelo corpo de engenheiros do DER-ES, demonstrava que a obra seria autofinanciada pelos benefícios diretos e indiretos num prazo de seis anos e meio, considerando que o projeto original já havia sido elaborado com a concepção de pista dupla e faixa de domínio com 40 metros de largura indenizada.

A Darly Santos criaria uma alternativa para atender aos bairros que surgiam naquela região (Novo México, Vale Encantado, Garanhuns e Araçás).

O nome da rodovia é uma homenagem ao radialista e ex-jogador do Vitória Futebol Clube, Darly Santos. Nascido em Vila Velha, foi um forte defensor e divulgador da Barra do Jucu, onde ajudou a lançar o tradicional restaurante Barramar. Darly atuou também como cronista esportivo. Foi responsável pela coluna ‘Mickey’, no jornal O Diário. Foi jornalista de A Gazeta, veículo em que trabalhou até 1985, quando faleceu. Darly não deixou filhos, mas deixou uma gama de poemas e crônicas inteligentes sobre futebol.

Duplicação

As obras de duplicação da Darly Santos foram entregues à população, em 19 de maio de 2007. A solenidade teve a presença do governador em exercício, Ricardo Ferraço, do secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Neivaldo Bragato, de outras autoridades e população em geral.

Fabiano de Oliveira, presidente da comunidade de Novo México, afirmou que esta obra veio atender um pedido antigo da comunidade que estava preocupada com o aumento do fluxo de veículos na via. "Também vemos que ela vai ajudar na expansão de Vila Velha", ressaltou.

A Darly Santos tem 5,6 quilômetros de extensão. Antes das obras de duplicação, tinha 20 metros de largura com duas pistas simples. Agora passa a ter 40 metros de largura, com duas pistas duplas em cada sentido; pontos de ônibus com iluminação especial e recuo para não obstruir o trânsito; passeio para pedestres, além de uma ciclovia visando assegurar mais conforto e segurança aos usuários.

Fontes: A Gazeta - 26 de setembro de 1994 e www.es.gov.br

LINKS RELACIONADOS:

>> Darly Santos 
>> Terceira Ponte 
>> Barra do Jucu

História do ES

A independência do Espírito Santo se chama café

A independência do Espírito Santo se chama café

Todas as câmaras das Vilas do Espírito Santo aderiram imediatamente ao Imperador D. Pedro I

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo