Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rota dos Vales e do Café – Casas de grandes personalidades

A Casa de Roberto Carlos

A história de ícones da cidade, como Roberto Carlos e Rubem Braga, está preservada nas residências onde eles iniciaram as trajetórias

Carinhosamente conhecida como "a capital secreta do mundo", Cachoeiro de Itapemirim guarda um rico acervo cultural do Estado. Foi da cidade que saíram nomes como Roberto Carlos e Rubem Braga, que hoje compõem o cenário cultural brasileiro das letras e da música.

A história desses ícones está guardada no coração do município. A casa onde Roberto Carlos viveu até os 13 anos virou centro de cultura e, hoje, recebe milhares de fãs, curiosos e admiradores.

Localizada na rua João Madureira de Deus, no centro da cidade, a casa de um dos mais importantes cantores brasileiros foi restaurada para valorizar a arquitetura original. Possui fotos, discos, quadros, instrumentos musicais, e abre de terça a sexta-feira das 8h às 18h horas. Nos sábados e domingos e feriados prolongados, funciona das 9h até as 13 horas. Em 2009, a construção foi tombada pelo Conselho Estadual de Cultura.

Já a casa dos Braga, também localizada no centro de Cachoeiro, na rua 25 de Março, foi tombada pelo Patrimônio Histórico Municipal e Estadual e declarada de utilidade pública por terem vivido ali os irmãos Newton e Rubem Braga. Newton foi o criador da Festa de Cachoeiro e Rubem é considerado o maior cronista brasileiro.

Na casa, a Biblioteca Pública Municipal Major Walter dos Santos Paiva está aberta ao público, com acervo de mais de 20 mil livros em disponibilidade. Ainda há salão para pesquisas e um museu com livros e manuscritos dos irmãos Braga. Funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18 horas.

Além de Roberto Carlos e Rubem Braga, Cachoeiro é conhecida por ser berço de muitos artistas que ganharam notoriedade nacional e internacional, destacando-se ainda os cantores e compositores Raul e Sérgio Sampaio e o ator e compositor Carlos Imperial.

A história de Cachoeiro tem início em 1812, quando o donatário da capitania do Estado, Francisco Alberto Rubim, teve a tarefa de estimular o povoamento do Estado. A região era dominada por índios Puris. No século XIX, o café foi o grande responsável pelo crescimento econômico e populacional do local. Nos últimos anos, Cachoeiro tornou-se responsável por 80% do mercado brasileiro de mármore.

RAIO X

Cachoeiro de Itapemirim

> POPULAÇÃO: 189.889 habitantes

> ÁREA: 877 km'

> PIB: R$ 2.252.927

> DISTANCIA de Vitória: 136 km

Turismo rural com cachoeiras

No interior do município, principalmente no distrito de Burarama, o agroturismo é forte nas propriedades rurais. Os participantes percorrem trilhas, apreciam as paisagens rurais e são recebidos na propriedades com restaurantes de comida caseira e produtos regionais como geleias, banana-passa, cachaça, mel e artesanato.

Também em Burarama, destaca-se a Pedra da Ema, a 38 quilômetros da sede. Uma saliência na pedra, de acordo com a posição do sol, forma a figura de uma ema.

Na Fazenda Cafundó, localizada na Rodovia Cachoeiro x Alegre, o turista pode contemplar uma floresta de Mata Atlântica habitada por animais em via de extinção, como o macaco barbado, o papagaio-da-cabeça-vermelha e o jacaré-de-papo-amarelo.

Com 517 hectares de vegetação nativa, na região predominam áreas de cultivo, destacando-se o café. Visitas podem ser agendadas pelo telefone (28) 3511-1248.

Cachoeiras também fazem parte do cenário e são opção de passeio. Entre elas, está a Cachoeira Alta, localizada no distrito de São Vicente, fica a 34 quilômetros da sede.

A cachoeira tem água cristalina e queda de 100 metros, boa para banho. No local, por trás das rochas, se escondem milhares de andorinhas pretas que, quando saem em revoada, produzem ruído que se confunde com o barulho das águas. Aberta todos os dias para visitação, é cobrada taxa de entrada.

Caminhadas na Mata Atlântica

O Parque Natural Municipal do Itabira, que abriga o Pico do Itabira, foi criado em 1988, com o objetivo de resguardar a beleza natural de seus monumentos rochosos, conservar a vegetação natural da Mata Atlântica e as nascentes dos córregos Itabira e Urtiga.

Atualmente, ele tem uma área de cerca de 163 hectares, em que se destaca a Pedra do Itabira, com 715 metros de altitude. O parque, cujo acesso é pela rodovia ES-289, que liga Cachoeiro à BR-101 Sul, tem trilhas para caminhadas ecológicas e praticantes de escalada e fica aberto à visitação.

Apitos que imitam som de aves

Fundada em 1903, a Fábrica de Pios é única na América Latina. Produz mais de 40 diferentes tipos de pios, espécie de apito que reproduz o canto de aves. Fica aberta à visitação de segunda a quinta, das 7h às 17 horas. Na sexta, abre das 7h às 16 horas e nos fins de semana e feriados, é preciso agendar visita.

 

Fonte: Jornal A Tribuna – A Rota dos Vales e do Café, Lugares, 06/11/2011
Produção: Dinâmica de Comunicação
Contatos: 3232-5934 - imoveis@redetribuna.com.br
Jornalista responsável: Fabiana Pizzani
Edição: Erika Santos
Revisão: Márcio Rocha
Reportagem: Beatriz Seixas, Joyce Meriguetti, Luísa Buzin e Luísa Torre
Diagramação: Eliene Soares
Tratamento de imagens: Renan Martinelli
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2016

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Rota dos Vales e do Café – Diversão com golfe e vôo radical

Município de clima ameno, com média de 20 graus, a bucólica Vargem Alta encanta o turista com lazer diferenciado. A cidade possui um dos mais belos campos de golfe do Estado e ainda conta com rampa de vôo livre com acesso asfaltado

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Points de Verão e Cultura

Mas não só as praias que se destacam em Marataízes. O município foi importante rota de escoamento de café produzido no Sul do Estado, no período colonial

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Casarões contam muitas histórias

Mimoso do Sul, Vargem Alta e Muqui se destacam por seus prédios antigos dos tempos áureos do ciclo do café no Estado  

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Fazenda Independência

Para uma experiência de imersão no universo de época do ciclo do café, nada melhor do que se hospedar em um casarão antigo como a sede da Fazenda Independência, em Mimoso do Sul

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Palacete Bighi

Palacete Bighi Construído em 1928, o palacete é uma das edificações mais importantes de Muqui

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Fazenda Santa Rita

A 11 quilômetros de Mimoso do Sul, a Fazenda Santa Rita conta a história do passado de Muqui, e foi adquirida pela família Monteiro Lobato nos anos 1980

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Casa da Família Villela

Construído em meados de 1921, o casarão verde que pertence até hoje à família Villela já aparecia em fotos antigas do centro de Muqui, próximo à Praça Municipal

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Tradição e cultura em um só lugar

O casarão foi construído em meados do século XIX, durante o período áureo do café, pela família Silveira. Desde então, já funcionou como pousada de tropeiros, pensão e farmácia

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – ES é o segundo maior produtor

O Espírito Santo se mantém como um dos principais produtores de café, mesmo depois de mais de 150 anos do início do cultivo

Ver Artigo
Rota dos Vales e do Café – Fazendas antigas e natureza exuberante

Mimoso do Sul é o município com o maior número de fazendas históricas do ciclo do café no Estado. Ruas calmas, pessoas hospitaleiras e culinária peculiar vinda dos imigrantes libaneses e italianos 

Ver Artigo
Rota dos Vale e do Café - Uma terra de riquezas e progresso

Foram criadas fazendas, vilarejos e mais tarde as cidades, que ainda hoje preservam as lembranças dos tempos áureos do café por meio de monumentos arquitetônicos

Ver Artigo