Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Fale os sábios das escrituras – Presidente Avidos

Florentino Avidos, o homem de estradas e pontes

Abstraindo-se da afoiteza, com que algumas obras foram executadas, a crítica aos dois Avidos, por jornalistas anônimos e políticos preteridos, não teve justificativa recomendável.

Acusaram-nos de perdulários e de se querer perpetuar nas placas de bronze justapostas às obras inauguradas. De fato, Florentino Ávidos dispendia mais do que arrecadava, mas seus investimentos reprodutivos se enquadravam no coeficiente de acréscimo da economia estadual.

O insucesso havido, no apelo ao crédito externo, quando pretendeu lançar um empréstimo de noventa mil contos de réis, foi devido exclusivamente à desonestidade praticada pelos banqueiros franceses, Ch. Victor e Cie, e seus sucessores, Societé Auxiliaire de Crédit, lançadores e procuradores do Estado do Espírito Santo, dos empréstimos de 1894 e 1908. Estes banqueiros, sentindo-se em dificuldades financeiras, em 1915, quando faliram os primeiros, e 1919, quando os sucessores fecharam as portas, pagaram seus credores com os títulos resgatados, e não inutilizados, do empréstimo do Espírito Santo.

No contrato de empréstimo, entre o governo do Espírito Santo e Ch. Victor, havia uma cláusula, que impedia ao Estado novo empréstimo externo sem que estivessem resgatados os anteriores. Quando Florentino Ávidos supôs que, com pouco mais de dois mil contos, poderia liquidar a dívida e lançar novos títulos, já pràticamente ajustados com outros institutos de crédito, foi surpreendido pelos peculatários franceses, que se haviam locupletado com os bônus do Estado, vencidos e resgatados. As negociações duraram mais tempo do que restava ao término do governo do grande e voluntarioso Presidente.

Foi erro de Florentino Avidos não se ter subordinado às verbas orçamentárias? Deve um governo de realizações concretas, possíveis e necessárias, cingir-se cegamente às possibilidades momentâneas do Tesouro? Poderia o Estado construir as pontes de Vitória e de Colatina, dar prosseguimento às obras do porto e aparelhá-lo, sanear a capital, rasgar estradas, difundir o ensino e a economia agrícola, com seus recursos normais, no momento crítico do seu crescimento econômico? Falem os sábios das escrituras.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

História do ES

A República dos Coronéis no ES

A República dos Coronéis no ES

No Espírito Santo, a família Monteiro, que representava o grupo e os interesses dos cafeicultores, monopolizou o poder político de 1908 a 1930

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vitória cidade ganglionar – Presidente Avidos

Vitória pertence ao tipo, que os urbanistas modernos denominam de cidade linear, unindo gânglios atrofiados entre o mar e as montanhas

Ver Artigo
O que não se vê – Presidente Florentino Avidos

Grande parcela não é visível: as drenagens, os esgotos, as canalizações de água, porque são subterrâneas

Ver Artigo
Os Cooperadores de Florentino Avidos

Do secretariado faziam parte os doutores Antônio Lopes Ribeiro e Carlos Xavier Barreto, secretários do Interior e Justiça e da Presidência, Mirabeau da Rocha Pimentel

Ver Artigo
Últimos dias do Melpômene

A natureza física de Vitória, pela sua característica topográfica e geológica, é alérgica ao urbanismo a curto prazo e de recursos limitados

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo
Florentino Avidos

O povo tem qualquer coisa de feminino nas suas opiniões e no seu modo de apreciar uns tantos fatos da vida social. 

Ver Artigo
Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam

Ver Artigo