Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Na travessia do Atlântico Vasco Coutinho trouxera a família?

Vasco Fernandes Coutinho - Foto: Walter de Aguiar Filho, 2012

Na travessia de Atlântico Vasco Coutinho trouxera a família?

Os historiadores Jaboatão, Brás Rubim e Basílio Daemon informam que o desembarque ocorreu nas fraldas do penhasco onde mais tarde foi construído o santuário da Penha. Portanto, foi a praia de Piratininga o local onde Vasco e seus acompanhantes desembarcaram no domingo de 23 de maio de 1535, dia consagrado pela Igreja à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade.

Se esses historiadores escreveram que o desembarque aconteceu ao pé do morro da Penha, não poderia o local ser também identificado como a Prainha, pois embora no lado oposto, fica igualmente situada abaixo da mesma colina?

Conforme afirma Jaboatão, o desembarque se deu no sopé da Penha, mas na praia de Piratininga. Lamentavelmente Coutinho não se preocupou em trazer em seu barco alguém que, mesmo não chegando às minúcias de um cronista, registrasse pelo menos os acontecimentos mais relevantes desde a partida, no Tejo, até o local escolhido para o desembarque em sua donataria. Se isso houvesse acontecido, sem dúvida existiriam respostas precisas para uma série de pontos obscuros, por exemplo: a família do capitão-mor, esposa e filhos, o acompanhou na perigosa aventura de enfunar as velas e atravessar o Atlântico para explorar uma terra ignota e bravia? Ou será que no lugar de Maria do Campo, a esposa legítima, veio a amásia Ana Vaz de Almada? Algum sacerdote fez parte do grupo comandado por Coutinho? Os colonos, em número aproximado de sessenta, estavam a bordo de um só navio, juntamente com todas as provisões, inclusive barris de água potável, ferramentas de trabalho, mudas de cana, armas de uso individual, munição, peças de artilharia e tudo mais indispensável à conquista da terra selvagem, ou o veleiro Glória era tão somente a nau capitânia? Em que data partiram de Lisboa e quais os fatos dignos de nota que aconteceram no curso da viagem? São perguntas que ficam no ar. Algumas respostas estão no terreno das hipóteses, ao sabor da imaginação do pesquisador. Outras, porém, nascem como resultado da exclusão de elementos conhecidos, e nunca por estarem explícitas no registro dos cronistas coevos. No que diz respeito a essas indagações, afiançam alguns pesquisadores que o primeiro governador da Capitania do Espírito Santo partiu de Portugal com a família*. Todavia, não existe qualquer referência, por pequena que seja, a comprovar a presença de Maria do Campo, sua esposa, em terras capixabas. Registra a história que o capitão-mor deu a uma das ilhas do arquipélago o nome de Ana Vaz, sua amante, e mãe do segundo donatário. Pergunta-se então: Se estivesse presente a mulher legítima ele homenagearia a concubina pondo-lhe o nome numa das ilhas da Capitania?

Seria um gesto de ingratidão, um acinte à esposa que o acompanhara numa empresa tão desconfortável e perigosa.

Por aí se vê que Coutinho não trouxe a esposa e, se teve ao seu lado companhia feminina, foi Ana Vaz homenageada por ele como vimos.

* Brás Rubim, Daemon e Rocha Pombo informam que Vasco Fernandes Coutinho partiu de Lisboa acompanhado da família.

 

Fonte: VILA VELHA - Seu passado e sua gentes, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2012


LINKS RELACIONADOS:

 Uma capitania atribulada
 A morte do primeiro donatário
 Quarto Centenário de Vila Velha 

 Perfil - Vasco Fernandes Coutinho 
 Primeiro núcleo de Vila Velha 
 Vasco Coutinho veio na certa! 
 Barrinha - A foz do Rio da Costa 
 O Morro do Moreno na história do ES

Vasco Fernandes Coutinho

Empresa difícil, homens de fibra

Empresa difícil, homens de fibra

Vasco Coutinho em busca de recursos. Em Lisboa ficou hospedado em uma casa na Rua do Barão de  Alvito (1540)

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Crise – Armando os engenhos

Basta dizer que, em 1552, a capitania não rendia o suficiente para pagar ao padre Gomes Ribeiro

Ver Artigo
Ainda a carta de delação de Duarte de Lemos

Vem, a seguir, a delação da fuga de Coutinho para a França, que calamos por inconseqüente

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo