Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Convento do Carmo e Rua da Capelinha

O Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, mais conhecido por Colégio do Carmo, era uma das nossas mais caras tradições. Hoje extinto. Colégio para moças, por ele passaram várias gerações de jovens da nossa melhor sociedade. As professoras, todas religiosas, excelentes preceptoras, desvelavam-se para manter o alto nível cultural e disciplinar do Colégio e o justo renome que de há muito atravessara as fronteiras do Estado. Piedosíssimas eram adoradas pelas alunas, para as quais não eram apenas as mestras competentes e desveladas, mas as amigas das horas incertas, conselheiras e confidentes.

Dentre todas uma era o «beguin» das alunas — a Superiora Irmã Ângela. Frágil de corpo, possuía a palidez romântica dos lírios. No coração muito amor para a pouca saúde do corpo. Nascera para esposa de Cristo. A exemplo do meigo Nazareno era toda bondade e devoção. Como o «edelweiss» das frígidas montanhas, nascera para irradiar, com intensidade, toda a sua beleza e esplendor. O convívio com as alunas teve a duração dos meteoros, porém o fulgor da sua luz jamais se extinguiu.

Certa manhã, tristes e doridos, os sinos do Carmo dobraram finados. No firmamento o sol se engalanara para receber a alma de uma santa. No austero recinto do Colégio reinava a dor e o silêncio pesava como uma mortalha. No delicado ataúde, as mãos cruzadas sobre o casto peito, Irmã Ângela dormia. Em meio às flores o seu meigo semblante surgia com a palidez mística dos círios. Sepultaram-na ali mesmo, sob a escada do Coro.

Passaram-se os meses e como no mundo tudo é transitório, a imensa saudade se foi esmaecendo até tornar-se a Irmã Ângela apenas doce recordação.

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias. Embora deslizasse entre os leitos como se pisasse em nuvens, a sua passagem era pressentida pelo roçar do terço pela guarda das camas.

Um ano exato do seu passamento, alta noite, no dormitório das maiores, uma aluna despertou com o ruído do terço da Irmã Ângela. Apesar do medo ousou olhar e viu a Irmã Ângela passando por entre os leitos na sua ronda noturna.

Branca, muito branca, delicado lírio, sorridente passava, velando o sono das discípulas.

O ruído do terço se foi aos poucos diluindo até a delicada visão desaparecer no dormitório contíguo.

A história propagou-se, levando o pânico às alunas. A Superiora proibiu que se comentasse o fato. Para acalmar as alunas, em cada dormitório velava uma irmã. Não obstante, todas as noites, à mesma hora, Irmã Ângela voltava à sua ronda.

Quando a última aluna, do seu tempo, se formou cessou a piedosa ronda.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Chafariz da Capixaba – Por Adelpho Monjardim

O Chafariz da Capixaba – Por Adelpho Monjardim

Quem a bebe não mais deixa Vitória. Quantas mocinhas casadoiras lançaram mão dela? Que digam os mineiros

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo