Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Ilha dos Franceses

Fronteira a Piuma, a Ilha do Francês sustenta o milenar assalto das vagas. Sempre raivoso o mar não lhe concede tréguas e a alva escuma é como eterno diadema a cingir-lhe a fronte granítica.

Três milhas, aproximadamente, separam-na do litoral. Pouco elevada a vegetação é pobre. O solo é árido e fértil em serpentes, a ponto de forçar a Marinha a colocar ali um farol moderno que dispensa a presença diária do homem. Tantas são elas que diariamente o farol é tomado de assalto. Venenosíssimas as suas picadas são mortais.

Ilha deserta, raros são os pescadores que a freqüentam. Todavia guarda um segredo. Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas. Espantosamente escura aninha, em seu seio, alentados e suspeitos morcegos.

Ninguém, até hoje, conseguiu chegar-lhe ao fim. Os dejetos e a urina dos morcegos a tal ponto irritam os olhos e as narinas que as lágrimas vertem espontâneas. Todavia o grande obstáculo é a rarefação do ar que a todos acomete.

Associando os fatos, a imaginação popular criou o tesouro oculto nas suas entranhas. Como teria ido ali parar? Piratas? Sabemos que os flibusteiros não costumavam confiar o produto das suas abordagens às ilhas costeiras, mas àquelas quase inacessíveis, em pleno oceano. Tão misterioso quanto o suposto tesouro é o seu nome. Por que do Francês? Antiqüíssimo, ninguém sabe explicar-lhe a origem, Não há memória de francês que ali tenha residido. Fértil, porém, é a imaginação do povo e remonta a história à aurora do Brasil Colônia; ao recuado 1555. quando Villegaignon se instalou na Guanabara, a fim de implantar a França Antártica.

Entretanto, efêmero o sonho de Coligny. Reagindo, com auxílio dos índios, os lusos expulsaram os franceses, pondo-os para correr. Na fuga levaram os valores em grande e pesada caixa de madeira, ricamente cinzelada com o monograma — N. D. V. — Nicolau Durand de Villegaignon. Na caixa-cofre o almirante guardava o numerário recebido da França, para pagamento da guarnição. E diziam que também ouro e pedras preciosas que os índios aliados traziam das matas.

Tudo embarcado às pressas, o veleiro rumou para o norte, quando o acaso levou-o à ilha, nas costas do Espírito Santo.

Presume-se que o ocasional encontro da caverna, em lugar propício, de fácil acesso e referência, fêz-los ali ocultar o precioso legado. Não fizeram mapa nem roteiro, apenas registraram a latitude e a longitude. A prudência ditava a medida, pois não estava excluído o risco de um encontro com as naus portuguesas, vigilantes ao longo da costa. A memória passaria de pai para filho até que alguém pudesse resgatar o tesouro.

O temor dos franceses se justificou. Nas alturas da Bahia caíram em poder dos lusos, que enforcaram todos, exceto um jovem de dezesseis anos, levado prisioneiro para Portugal.

Depois de um século, ou mais, jovem francês surgiu nas praias de Piuma, fronteiras à ilha. Tipo estranho vivia da pesca e da caça, para o próprio sustento. Como ninguém o entendia o convívio tornou-se para ele impossível, mesmo porque era reduzido o número de pescadores naquelas praias. Um dia o francês conseguiu comprar uma canoa e, como tudo indicava, fora para a ilha.

Por um fragmento de carta encontrado no seu tugúrio e que o fogo não consumira, chegaram à conclusão que ele  viera para resgatar o tesouro. A história é longa e consta ter sido a caixa encontrada na ilha, porém vazia. Do jovem nem sinal.

Esta é uma das histórias. Outras existem e sustentam a Presença do tesouro, intacto e avaramente custodiado pelos riscos mortais que o cercam.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

Com voz pausada e mansa falou-lhe de um tesouro enterrado no Convento de São Francisco

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo