Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Vasco Fernandes Coutinho, primeiro Donatário da Capitania do ES

Ao voltar de Portugal, onde estivera em 1540, Vasco Fernandes Coutinho já não encontrou muitos dos antigos companheiros. Entre os que se salvaram dos selvagens, alguns haviam  buscado as férteis margens do Cricaré, o atual S. Mateus: essa região, durante algum tempo, atraiu também aventureiros e colonos, porque vagamente se dizia que uns exploradores, descendo o rio, haviam perdido a embarcação onde traziam amostras de ouro...

Pouco depois de empossado, o Governador Geral Mem de Sá recebeu, em 1558, uma carta de Coutinho, cercado pelos indígenas na vila da sua capitania. Mandou logo o próprio filho, Fernão de Sá, socorrê-lo, "com seis velas e perto de 200 homens" Este, porém — "em chegando à Capitania do Espírito Santo, entrou por conselho dos que consigo levava pelo rio Cricaré, e foi dar em três fortalezas muito fortes que se chamavam Marerique". Recuando, por último do assalto ao que o pai encareceu depois, considerando uma "fortaleza", morreu flechado na praia, abandonado dos companheiros, prestes recolhidos às embarcações...

Sem o saber, Mem de Sá, que, logo após a partida do filho, viera por sua vez a Ilhéus combater os tupiniquins, também "alevantados" nessa Capitania, impiedosamente o vingava.. Vingou-o igualmente Diogo de Moura, ainda em 1558.

Da vila de Ilhéus, Vasco Coutinho escreveu, nesse ano, confessando-se doente e aleijado! A terra estava despejada de inimigos, como jamais estivera. Queixava-se dos moradores, que provocavam desordens contra ele; assim como da Câmara, que lhe contestava direitos sobre o sertão... "Já mui velho e cercado de doenças" — insistia em voltar ao Reino, a fim de buscar quem viesse povoar-lhe a Capitania; ou de vendê-la, caso não obtivesse mais colonos...

Animados pelo apóio dos franceses da Guanabara, os tupinambás, como os guaianazes, goitacazes, aimorés e tamoios assaltaram, por vezes, o Espírito Santo, no começo do governo de Mem de Sá.

Percorrendo depois a costa, esse Governador Geral propôs ao Rei fundar, neste trecho do litoral, outra cidade fortificada como a do Salvador; e, diante do abandono em que encontrou esta Capitania, sugeriu que o Rei a tomasse a fim de distribuir, depois, as terras por armadores...

Para agravar-lhe a decadência uma epidemia em 1559 matou tanta gente, em Vitória, que o adro da igreja, onde, segundo antigo costume, os Jesuítas chegaram a sepultar dez cadáveres por dia, já não comportava mais...

Nóbrega lamentava continuar a iniqüidade dos cristãos, que aconselhavam os índios a furtarem companheiros, para vendê-los escravizados. E previa que essa prática, muito fácil no Espírito Santo, considerada por isso a melhor capitania, provocaria novos morticínios, como sucedera com Jorge de Menezes e outros, durante a viagem do Fundador a Portugal. Nas primeiras escaramuças já haviam morrido alguns dos mais zelosos colonos. Relatava mais: quando era de temer um assalto de franceses ou dos tupiniquins de Porto Seguro, estes não mais amigos, viera encontrar aqui os portugueses, divididos em parcialidades... Como jesuíta, escrevia satisfeito, em 1560: "Esta Capitania se tem por a melhor coisa do Brasil, depois do Rio de Janeiro; nela temos uma Casa onde se faz fruto, com cristãos e com escravos e com uma geração de índios, que ali está, e que se chamam do Gato, que ali mandou vir Vasco Fernandes, do Rio de Janeiro"...

Teria sido, talvez, um dos últimos serviços prestados pelo donatário à Capitania: eram os temiminós que, guiados por Maracaiaguassú e Ararigboia, voltariam, e ajudariam Mem de Sá a reconquistar o Rio de Janeiro aos franceses.

No Espírito Santo, refere Nóbrega, Mem de Sá vira apenas "hua pouca de gente em grande perigo de serem comidos dos índios e tomados dos franceses". Todos queriam deixar a Capitania, que parecia abandonada pelo donatário. Prometeu-lhes o Governador providenciar, quando voltasse do Rio. Efetivamente na volta, em agosto de 1560, à vista de uma procuração que o donatário, ausente, enviara ao Ouvidor, Mem de Sá aceitou-lhe a renúncia. De acordo com o povo, confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória".

O novo Capitão, proprietário de largas culturas, fora, Provedor da Real Fazenda.

Coutinho ainda conseguiu rever a Capitania, onde poucos meses sobreviveu à renuncia. Em outubro de 1561 o mesmo Governador Geral já lhe regulava a sucessão definitiva, mandando que, reunidas em Câmara, os moradores elegessem ainda Belchior de Azeredo para servir de Capitão-mor; e que este só entregasse a capitania a um filho, de igual nome, do donatário.

"Melchior" — escrevem também, indistintamente alguns historiadores, como Pedro Calmon e o Padre Serafim Leite. O primeiro admitiu outra, variante: "de Azeredo".

Descrevendo o Brasil em 1587, quando o Espírito Santo parecia prosperar, afirmou Gabriel Soares de Souza : — "no povoar desta Capitania gastou Vasco Fernandes Coutinho muitos mil cruzados que adquiriu na Índia, e todo o patrimônio que tinha em Portugal, que, todo, para isso vendeu; o qual acabou nela tão pobremente, que chegou a darem-lhe de comer por amor de Deus; e não sei se teve um lençol em que o amortalhassem”. Repetida por Frei Vicente do Salvador, essa frase chegou mais exagerada ainda, até nossos dias... Perdeu-se, infelizmente, a “sepultura decente” aonde Francisco Gil de Araujo, quando reformou a Casa da Misericórdia no fim do século XVII, fez recolher os restos mortais do primeiro donatário, restos que ainda encontrara em uma arca...

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho/ maio/2015

História do ES

4º Centenário do ES no Senado Federal

4º Centenário do ES no Senado Federal

Discurso proferido pelo Dr. Jerônimo Monteiro no Senado Federal, em 22 de maio de 1935, em homenagem ao IV Centenário da Colonização do Espírito Santense.

"Ao subir hoje a esta Casa do Parlamento brasileiro, não era meu propósito ocupar a tribuna e a atenção preciosa do Senado Federal...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
Vasco – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Vasco e os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo