Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Convento da Penha

No início da segunda metade do século XVII tomou posse, na Bahia, o conde de Castelo Melhor, novo Governador Geral. Revelou tantas e tão grandes preocupações militares, para maior defesa da colônia, que embora o, governo do sucessor, o conde de Atouguia, houvesse tido cuidados idênticos, conforme se lê, por exemplo, nos seus dois conhecidos regimentos para novos Capitães-mores do Espírito Santo, este seguido período ficou assinalado mais como "sertanista".

Durante o primeiro, foram logo requisitados 20 soldados para esta Capitania; cuidou-se também, para melhor defesa de Vitória, de fortificar uma laje próxima: contra as invasões dessa época a vila estava guardada pela "cadeia da barra". Projetou-se, todavia, uma nova tentativa às esmeraldas, em Maio de 1652.

Um modesto "correio" transitava por terra, entre Vitória e a Bahia, sede do governo geral, embora Saint-Hilaire, em 1818, tivesse julgado intransponíveis, antes do estabelecimento dos célebres "quartéis" ou postos militares do século passado, as dificuldades que observou na região do rio Doce.

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha. Mantido o direito dos franciscanos, estes, na Junta de 1650, reunida na Bahia, aprovaram um projeto de Fr. Sebastião do Espírito Santo, para anexar ao templo um convento com onze celas. A obra logo iniciada, demorou oito anos. Durante a construção os holandeses assaltaram e saquearam o Santuário. Constitui um anacronismo a conhecida tela que representa uma anterior invasão, frustrada, vendo-se ao alto já o convento.

Ao findar o ano de 1653, o Rei outorgou uma "ordinária", isto é, um auxílio anual de uma pipa de vinho, um quarto de azeite, outro de farinha do Reino e duas arrobas de cera, para o convento de N. S. da Penha, um dos que haviam sido "fabricados" de novo, ou recentemente, no dizer da respectiva resolução.

Duas importantes questões agitaram, a esse tempo, a administração.

O tráfico e o comércio com as colônias espanholas do sul, facilitado e favorecido ao tempo em que o Brasil estivera sujeito ao mesmo domínio, introduzira grande quantidade de moedas de prata do Peru. Proibido esse comércio depois da Restauração de Portugal, as moedas dos "peruleiros", geralmente de prata, foram contra marcadas, do que resultou grande vantagem para a Fazenda Real, beneficiada com a diferença do valor. Antes que, por último, fosse vedada a circulação dos patacos peruanos, apareceram falsas, no Espírito Santo, numerosas dessas moedas. Preso um estrangeiro acusado por esse crime, mandado para a Bahia, foi julgado e punido.

Vindo de Buenos Aires, carregado de courama, entrou em Vitória um patacho com uma carta de prego para o Rei de Castela. Apreendido e também encaminhado para a sede do governo geral, não obstante a régia proibição de qualquer comércio com estrangeiros, poude a tripulação, entretanto, depois de ouvidos os prelados, ministros e Câmara, negociar largamente...

Vitória crescia e os Capitães-mores já procuravam fortificar o que se denominava "a praia", o centro comercial de nossos dias.

Desde 1643, os donatários nenhum interesse demonstraram pela Capitania. Somente em 1656, D. Felipa de Menezes, mãe e tutora de Antônio Luiz Coutinho da Câmara como figura o nome na patente, propôs, e o Rei nomeou, Capitão-mór. Empossado, mostrou-se apreensivo com a inquietação em que veio encontrar a vila pela "descompostura" dos oficiais da Câmara e de outras pessoas, entre as quais o próprio Ouvidor.

Por ocasião da eleição de Vereadores, prevenido e apaixonado, suspendeu o Provedor, e chegou mesmo a afastar o Ouvidor, do cargo. Por isso o Governador Geral advertiu-o, bem como à Câmara. Nesta, como em outras Capitanias, os Ouvidores, por vezes, sofreram violências, algumas muito graves. Os Capitães-mores não trepidavam em contrariar o que as Ordenações dispunham a respeito dessas altas autoridades. No Espírito Santo, não foi essa a única violência cometida contra a Ouvidoria. Ao tempo de Atouguia, houve um Ouvidor suspenso também pelo Capitão-mór, porque desobedecera a um "mando", a espalhafatosa forma de divulgação dos éditos baixados pelos governos daqueles dias.

Essas autoridades, parece, não se limitavam a intervir somente nas matérias de suas difíceis funções. Em 1651, o do Espírito Santo pretendia também chefiar uma "jornada" ao sertão. Não lhe foi permitido fazê-lo porque, autorizados pelo próprio Rei, os famosos capitães Domingos e Antônio de Azeredo aguardavam apenas o fim de abril ou o começo de maio do próximo ano, como a época mais propícia para tais expedições.

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho/ maio/2015

História do ES

História de Itaúnas

História de Itaúnas

Quem caminha sobre as dunas de Itaúnas, entre o mar e a região alagada pelo rio, está passeando sobre a história de uma vila que foi, aos poucos, sendo coberta pela areia fina até desaparecer

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo